Especial 21 de Março: dia mundial da poesia


BRANCA PAIXÃO

Fui ao encontro de ti,
Antártica degelada.
Pedi licença à generosa natureza
desse branco continente
e te assaltei.
Temia-te, é verdade.
Mas no verão
te fazes
por demais sedutora,
irresistível até.
Pedras negras de larva,
desnudadas se oferecem a inquietos olhos.
Mares quase sempre revoltosos
- travessia de Drake –
fingem mansidão de abraço.
E cada homem,
cada mulher que em ti aporta
em louco desejo de te descobrir,
de ti possuir
perscrutam tuas entranhas,
tuas correntes marinhas,
teus bandoleiros animais,
teu gelado calor de aconchego.
Instrumentos de precisão a postos
querem saber por que tão pura és,
apesar de enlouquecida de prazer.
Guardas segredos.
Exiges PACIÊNCIA!
Não te recusas a copular com o saber,
a te deitares com quem preserva o amanhã.
Mas não aceitas a “casa de mãe Joana”,
de quem pisa no teu solo.
Exiges RESPEITO!
Bela Antártica desnudada,
protege-te dos predadores
com tua inóspita natureza.
E juro devolver-te
em leis, recursos e louvores
essa doce paixão que provocastes.

Jô Moraes
Céus do Brasil, 12 de março de 2010, a bordo do “gordo” Hércules

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos