Pular para o conteúdo principal

Os Brutos soltos por aí

Por Neuza Ladeira

Como ficar indiferente frente a tanta violência? Com o coração disparado me lembro delas. Mas, ainda me pergunto: o que deu errado na revolução feminina? O que deixamos perder no meio do caminho? Por que tanta Elisa, tanta Mércia? Nem um mês se passa sem algum crime bárbaro.

Nossos olhos molhados, nossos ouvidos entupidos e esta justiça lenta! A mentira corre solta, a ignorância ainda mais e estes brutos soltos por aí... Como não vemos que estamos no ápice da mudança de idéias, de uma disputa e conflito?

O Rancor, a traição, tradição, mudança radical no comportamento social gera esta violência bizarra, sem entendimento cabível a um pensamento racional. A nau dos loucos navega sem rumo.

Impressões Neuza Ladeira

Nestas semanas de inverno muita coisa anda acontecendo para o lado do Direito Penal no Brasil. A tempestade antes vigente já ganha pelas confissões sob tortura começa a ser cutucada e o antes descansado agora medido.

Ando remexida com esta diferença e sei que algo muda no mundo dos direitos. Existe muita coisa confundida, pois na era da tecnologia onde a ciência dá uma certeza, antes incerta, existe agora um incômodo para os antigos métodos e o Direito inicia a sua evolução.

Os advogados mais seguros, os prisioneiros mais intuídos de como é legislada a lei, a Impressa com todos os atributos agindo a seu modo instruiu duas coisas que me incomodam, talvez por ainda não estar conivente com a educação democrática que com suas leis impõem:


“Coragem espelhos”
fotografem
Há portas
Chaves buraco
Umbaúbas “


*Neuza Ladeira é Po(i)etisa e artista plástica. Possui vários livros publicados com poemas e ilustrações, entre eles Opúsculos. Foi presa política, no período da Ditadura Militar no Brasil, por ser uma militante pela liberdade.

Imagens: Pintura de Neuza Ladeira e Foto de perfil da artista plástica (por Brenda Mar(que)s)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…