Bolão Poético do IMEL: torcida por um Brasil mais solidário continua


Quinhentos, quantos sociais?


Salve, ó Terra!
Gente que te quer ver um dia
fruto de igual calor.

Sua gente de ti reconhecer
Quente, frio com igual sabor.

Todos na vida sentido ver.
Morrer, sem morrer.

Sem perceber que estar fora
Opção foi sem querer
Que machuca e destrói todo viver.

Se quinhentos anos serviu pra perceber
Que tratar das diferenças é crescer
O caminho consciente a seguir
É o combate ao perverso excluir.

Nossa forma social de inclusão
Ainda é uma grande aberração
Quando inclui é através de indicação
Quando exclui é através de seleção.

É hipócrita e cruel a realidade
Revestida de tamanha sutileza
Quanto discurso ainda vamos ter
Para a Democracia Social acontecer?


Geraldo de Lamim
Seleção: Brasileira


A Jabulana poética está rolando....

Este é mais um dos poemas selecionados para participar do nosso bolão poético. Veja o regulamento e participe, enviando de 1 a 5 poemas para: nosdapoesia@imersaolatina.com

http://imersaolatina.blogspot.com/2010/06/copa-2010-nos-da-poesia-em-campo.html

La poética Jabulani está rodando ....

Este es otro de los poemas seleccionados para participar en nuestra poética pelota. Vea las reglas en: http://imersaolatina.blogspot.com/2010/06/copa-2010-nos-da-poesia-em-campo.html y participe mediante el envío de 1-5 poemas para: nosdapoesia@imersaolatina.com


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina