Pular para o conteúdo principal

São de esquerda os novos governos de nossa Latino América?

Por Terezinha Vicente
Ciranda

Começa hoje à noite, no Rio de Janeiro, seminário promovido pelas Fundações Perseu Abramo (PT) e Mauricio Grabois (PC do B), que pretende fazer um balanço e analisar perspectivas para os governos de esquerda e progressistas na AL e Caribe.



Foto da Marcha da Liberdade, em São Paulo, 19 de junho último.

Refletindo sobre o tema, é inevitável a pergunta: “o que é esquerda hoje?”. Lembrei-me da definição que ouvi uma vez de um intelectual (economista, se não me engano), que não é tido como de esquerda, e da qual gostei muito, passando a utilizar. Na definição que ele apresentou, ser de esquerda implica desafiar a ordem e a lei, em nome da justiça. A direita, ao contrário, para manter as leis e a ordem (que ela mesma dita, comprando mandatos parlamentares e jurídicos nas democracias “representativas”), não se importa de cometer injustiças, explorar as pessoas, relegá-las, deseducá-las, mal alimentar, destruir, matar!

Potencializados os efeitos do capitalismo moderno com o neoliberalismo, a valorização do consumo e do individualismo, do “vencer”, tornar-se “celebridade”, insuflados fortemente pela mídia de massa desde o século XX, até entrarmos neste auge da mercantilização da vida. A ampliação desses valores para o ter, em detrimento do ser, faz aumentar também as depressões, drogadições, baixa auto estima, sofrimentos mentais os mais diversos; perspectiva de vida melhor, nenhuma. E há alguma perspectiva de vida? Já há muitos que se perguntam isso, diante da obsessiva destruição do planeta, exploração de tudo e todos, que não cessa mesmo frente aos gritos da natureza e aos gritos de cada vez mais pessoas do bem.

Aprofundar o democrático popular

Estas lutas não viram praticamente avanço algum nos últimos anos de governo democrático popular. Ao contrário, nas últimas semanas vimos novas mortes de lideranças do povo, o recrudescimento da repressão e criminalização de movimentos sociais em todas as regiões do país. Destaco a região norte, onde pude estar nos dois últimos anos, e ver o quão pouco vale a vida por ali. Seja pela superexploração de extrativistas, agricultores, pescadores, mulheres, seja pela perseguição e ameaças freqüentes às lideranças e assessorias jurídicas dos movimentos com representatividade e profundidade na luta. Quantos já morreram? Quantos assassinos estão impunes?

As feministas, gostamos de organizações horizontais, de preferência circulares como a nossa Terra

redonda, onde seja mais igual a participação de todas as pessoas em todas as tarefas. Agora que as mulheres fazem parte expressivamente do mercado de trabalho e de consumo (em apenas meio século de ocupação de lugares na vida pública) e começam a ser respeitadas, elas continuam incluindo a alimentação e a arte, os cuidados com o corpo e com o espírito, em sua atuação e seu desenvolvimento político. Nós mulheres, defendemos, desde sempre no correr da História, a paz e a segurança alimentar, os direitos fundamentais de qualquer ser humano, à moradia, à saúde, à educação e à comunicação.

Os instrumentos da democracia participativa, que poderiam aprofundar a apropriação do público por todos e todas, tem sido utilizados para cooptação de lideranças, assim como o parlamento já faz há muito tempo, desde sempre, acho. Lembremos que a democracia começou na Grécia antiga, já excluindo os escravos (feitos assim pela guerra), os estrangeiros, além das mulheres, restritas ao espaço privado, é claro! Não quero me estender a falar sobre a não participação das mulheres e a não valorização dos seus pontos de vista, pois isso daria outro artigo. Quero apenas resumir alguns princípios que as mulheres defendem hoje, e defenderam desde sempre, valores que estão sendo apropriados e reivindicados pelas novas gerações.

Basta de hipocrisia!

Entretanto, num mundo tão desenvolvido e avançado cientificamente, a maioria da humanidade (os pobres) come veneno industrializado ou "agrotoxicado" (quando come), e gasta seu mirrado e suado salário com a aparência, com drogas para emagrecer ou para esquecer, como o álcool e a cultura de massa. Sobretudo os jovens, os diferentes, todos aqueles que não concordam com o modo de vida imposto pelo capital e o patriarcado.

Um mundo muito melhor, e possível, é com o que sonham os jovens conscientes, que começam a manifestar-se nas grandes metrópoles, alcançando já muitas cidades brasileiras. As manifestações têm sido por liberdades democráticas, por participação nas decisões do país, pelo “direito de pensar” e pelo direito de comunicar seus pensamentos e opiniões. A luta é pela diversidade, pelo direito a existência do diferente. A Marcha da Liberdade em São Paulo, ocorrida há alguns dias, deu destaque a duas reivindicações de legalização, da maconha e do aborto. Por que não se discute amplamente isto? São terrenos onde a hipocrisia, com aparência de “ordem”, do “certo” a ser feito, reina absoluta, enchendo de dinheiro bolsos corruptos.

Ora, os “maconheiros” querem apenas o direito de plantar, sem agrotóxico ou qualquer outra mistura, o seu “chá”. Vi muitas demandas da periferia por isso, defendendo que maconha é “remédio” para os pobres, e eu entendo isso frente ao estresse do vencer e do ter , imposto pelo sistema econômico-político. Concordo, porque a periferia não tem grana, como as madames, os “playboys”, alguns artistas ou esportistas famosos, executivos e quetais, para gastar com suplementos alimentares, anfetaminas, anti-depressivos, boas bebidas e bons cigarros. Isso, sem falar nas roupas da moda, sapatos, celulares, carros e viagens, que fazem as pessoas "valerem" mais.

As mulheres pobres da periferia não têm grana para resolver uma gravidez indesejada em boas clínicas, ou até no exterior, como fazem as filhas da nossa burguesia, ou da classe média que segue seus valores, aspirando ainda um dia chegar lá. E quantas pobres não tem sua vida estagnada por um filho fora de hora, e quantos filhos não desejados, não amados e queridos vão engrossar os índices de violência e exclusão. Da mesma forma, a repressão a manifestações de amor e carinho entre homossexuais, sejam homens ou mulheres, a proibição de adotar e amar crianças que não tem lar, é incompreensível. Ou a discriminação devido a cor da pele, à origem, à religião ou não religião, são intoleráveis para quem deseja uma Terra onde se viva em harmonia e em busca da felicidade.

Por isso, as “Marchas da Liberdade” tem expressado palavras de ordem as mais diversas, e reunido tantos diferentes numa luta comum. Por todo o Brasil, gritam as reivindicações contra o machismo, o racismo, a homofobia e lesbofobia, contra as mudanças do código florestal, em defesa do meio ambiente, da educação e da cultura, pelos referendos democráticos, contra a guerra e o imperialismo, pelo Estado laico, pelo direito à comunicação. Sem ligação com partidos políticos ou grandes estruturas organizativas, há muitos que tem contra essas marchas o argumento de que elas só alcançam os jovens da classe média, bem alimentados e educados. Infelizmente, apenas estes têm noção da coisa pública e de seus direitos democráticos; os jovens da periferia estão oprimidos pela condição de inferioridade e desconhecem direitos. Até quando?

Ver online : Saiba mais:

Fonte: http://www.ciranda.net

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…