Poetas se unem na defesa do patrimônio da Serra do Espinhaço

Minas Gerais não tem mar, mas tem cachoeiras e belezas naturais incríveis. Infelizmente, o estado brasileiro mais rico em riquezas hidro-mineiras sofre com a destruição por causa da exploração indevida dos recursos por mineradores e turismo predatório.

Os poetas Marco Llobus e Clevane Pessoa resolveram reforçar a voz das cachoeiras que clamam pela preservação do patrimônio ambiental e cultural da região da Serra do Espinhaço. Leia abaixo o cliclo de poemas de Clevane Pessoa publicados na antologia: Nós da Poesia, organizado por Brenda Marques, Presidente do Instituto Imersão Latina. O livro está disponível para venda no Espaço Coletivo Contorno (Av. do Contorno 4640, sala 701 - Belo Horizonte - Minas Gerais) e online pelo site http://www.allprinteditora.com.br/



1º Mo(vi)mento:
Para Bernardo

No espaço de ser,
vértices e vertentes.
Cantante, mordente.
Cantata intimorata
preenche espaço
antes de amplitude infinita:
música em expansão adentra
sem necessidade de licença.
Mítica, mística,
a crença fundamenta-sena
magnífica face da serra.
Espinhaço:
espinha delineia
tamanho e forma.
Respirar fundo
a umidade do mundo
ignoto e especial.
A mão nas cordas,
cantas o que recordas
e tudo que afasta o mal.

Mo(vi)mento 2
Para Rafael

Repinicas sons
achas os tons, te espraies,
fibrilas o coração
e imitas seu pulsar
com as batidas de teus dedos,
revelas segredos,
pois alma,
ali no Espinhaço se acalma
e é doce e é aço.
De ti mesmo, sais;
vais de encontro
à natureza viva.
Insetos e aves
fremem ao teu compasso.

Mo(vi)mento 3
Para Bernardo e rafael

E a voz que cresce
e o sol que nasce
e a noite que desaparece.

Luz e calor, frio e umidade,
ar puro que até dói,"fugere urbens',
abris os braçose abraçais as montanhas.
Esse a quem acompanhas,
que te acompanha,
no duo onde a manha
afasta qualquer sanha
e santifica manhã...

Mo(vi)mento 4
Para O sol


O sol escorreganos escorregadores da serra;
menino tornado, o sol derrama luz,
entorna toda a amora
que alimentará a aurora...
E os companheiros de viagem
rumo à beleza original
abraçam um mar de poente,
abraçam a luz solar...
Percebem aceiros
dentro do olhar.

Movimento 5 / Aparentemente Estático:
Para a Serra do Espinhaço

Mamas projetadas
seduzem a vista.
Desafias o banal, pois de ti,
por um lado, perene.
A vida brota de mil maneiras
e cada des/emaranhada rota
mesmo se prevista,
é sempre diferente.
Serra do espinhaço: pinha
no espaço, serrilhada entre a bruma,
paleta de verdes,
precisas saber
o quanto és amada,
ordenhada pela poesia
de dois cantantes viajantes da fantasia,
moços de silêncios intermitentes
e cantares - orações...
E os amamentas.

Momento 5

Não há mais nada
que eu queria dizer não,
en/cantada com os cantos,
os sons da percussão,
a voz, a composição,
o contextodo absoluto
numa bolha de sabão...
Clevane Pessoa

Clique nos links abaixo para escutar músicas e saber mais da Serra do Espinhaço
http://www.serradoespinhaco.com.br/
http://www.musicasdoespinhaco.com.br/

Marco Llobus é presidente da Rede Catitu e Clevane Pessoa, vice-presidente do Instituto Imersão Latina e cônsul Z-C em Belo Horizonte, MG , Brasil por "Poetas del Mundo".

Os dois poetas participam da antologia Nós da Poesia, organizada pelo Instituto Imersão Latina (IMEL), que após ser lançado em setembro no Rio de Janeiro na Bienal Internacional do Livro, será lançado neste mês de outubro em Belo Horizonte e São Paulo. Participem e divulguem!

18 de outubro (domingo), às 12 horas almoço, sarau e mostra de livros e artes no Restaurante Cozinha de Minas. (rua Gonçalves Dias, 45, bairro Funcionários - BH/MG)

31 de outrubro (sábado) às 16 horas Festa lítero músical de aniversário do IMEL, no espaço da All Print Editora (rua Ibituruna, 550 - Jd. Saúde - São Paulo - SP (próx. Estação Saúde do Metrô).

Vejam abaixo documentários sobre a Serra do Espinhaço:









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina