Pular para o conteúdo principal

120 anos de Cora Coralina


A cantora e poetisa Rosa Pimentel, conselheira do Instituto Imersão Latina, estará nesta terça-feira, 13 de outubro, às 18:30 horas, nos Jardins Internos do Palácio das Artes fazendo homenagem a Cora Coralina, no Projeto Terças Poéticas. Prestigie! A entrada é franca!

No livro Nós da Poesia, está publicada texto de Rosa em homenagem à poeta. Leiam abaixo e não percam o lançamento em Belo Horizonte, nesse domingo, 18, a partir do meio-dia no restaurante Cozinha de Minas (rua Gonçalves Dias, 45 - bairro Funcionários). Será uma festa latina com música, poesia e exposição com os artistas e ativistas culturais que participam da antologia. Imperdível!

120 ANOS
Coralina coragem, Coralina coração

“Poetas, seresteiros, namorados, correi
É chegada a hora de escrever e cantar
Talvez as derradeiras noites de luar.”

Gilberto Gil

Poetas mineiros e do mundo, mulheres e homens, não podem passar impunemente pelos 120 anos de nascimento de Cora Coralina, em 20 de agosto de 2009. Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas, a Aninha da Casa da Ponte, comeu o pão que o diabo amassou para escrever e publicar seus livros. Nascida três meses antes da Proclamação da República (1889), em Goiás, foi uma mulher ousada para seu tempo. Aos 14 anos, escreveu seu primeiro conto Tragédia na Roça e, em 1907, junto com Leodegária de Jesus foi redatora do jornal literário A Rosa, que funcionou, segundo Gilberto Mendonça Teles, “como o verdadeiro veículo das idéias do movimento literário da cidade de Goiás”. Triste, nervosa e feia, como ela própria se achava, desprezada pela mãe e irmãs, escrevia desde menina, talvez para amenizar a falta do pai que falecera quando Aninha tinha apenas dois meses de vida. Daí seus tristes versos do poema Meu pai.

Para escapar dos preconceitos sociais e familiares, Cora, já grávida do seu amado Cantídio, advogado, separado de sua esposa, foge com ele, a cavalo, numa viagem que durou 16 dias até Araguari, no Triângulo Mineiro. Lá a esperava sua grande amiga Leodegária de Jesus, que foi a primeira mulher a publicar um livro em Goiás: Coroa de Llyrios, em 1906.

De lá, foram para Jaboticabal, São Paulo e Penápolis. Tiveram quatro filhos e depois da morte do marido (1934), ainda ficou por mais 20 anos em S. Paulo, até seu retorno a Goiás, em 1956. Tempos depois, Cora Coralina escreve: “Foram 16 anos para ir e 45 anos para voltar. E quando ia, já estava voltando. Voltava na pata do caranguejo: um passo para frente e dois para trás.”
Para a sua sobrevivência e de seus filhos vendeu livros, banha de porco, doces e linguiça, que ela mesma fazia.

Foi exímia doceira por 14 anos. Nunca deixou de escrever, mas só publicou o primeiro livro em 1965, aos 75 anos. Reconhecimento mesmo, veio em 27 de dezembro de 1980 , quando Carlos Drummond de Andrade, numa carta-crônica, à poeta, publicada no Jornal do Brasil escreveu: “Não tendo seu endereço, lanço estas palavras ao vento, na esperança de que ele as deposite em suas mãos. Admiro você como a alguém que vive em estado de graça com a poesia. Seu livro é um encanto, seu verso é água corrente, seu lirismo tem a força e a delicadeza das coisas naturais. Ah, você me dá saudades de Minas, tão irmã do seu Goiás . Dá alegria na gente saber que existe bem no coração do Brasil um ser chamado Cora Coralina”.

Mulher, doceira, cozinheira, contadora de histórias de Goiás, da escravidão, ponte entre dois séculos. Poeta apaixonada pelo Nordeste, Lampião, Maria bonita, cangaceiros e padre Cícero.

É preciso dizer mais?

Poetas, seresteiros, namorados e... políticos
Leiamos, saudemos Cora Coralina
Coralina Coragem, Coralina Coração!

Rosa Helena Pimentel é professora e cantora popular, Poeta Del Mundo BH/MG, Autora do Projeto Poético-Musical Coralina Coragem, Conselheira do Instituto Imersão Latina (IMEL)

Cora Coralina foi poetisa e contista de pseudônimo Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas, nasceu em 20 de agosto de 1889 na Cidade de Goiás e morreu em 10 de abril de 1985 em Goiânia. Mulher simples, doceira, viveu longe dos grandes centros urbanos. Produziu uma obra poética rica em motivos do cotidiano do interior brasileiro, em particular dos becos e ruas históricas de Goiás.

Serviço
Evento: Projeto Terças Poéticas
em homenagem a Cora Coralina
Local: Jardins Internos
Data: 13 de outubro de 2009
Horário: terça-feira às 18h30
Entrada franca
Informações: (31)3236-7400

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…