7 de setembro: por um Brasil sem pardais


por um BRASIL

SEM pardais!


Os pardais são a meu ver dos animais os mais globalizados. Como os demais invasores desta nossa pátria, só que trazidos com a vã ilusão de que acabariam com os mosquitos transmissores da febre amarela. Onívoros, como nós, enchem as cidades e campos, tomando espaço de nossas aves. Cadê o tico-tico? E que fazem os pardais?????????

São lindos na sua plumagem em tons e sobretons do marrom, mas e daí? São imigrantes. Legítimos globalizados. Como nós que prendemos os índios em reservas para usufruir da terra que 'era' deles... Fizemos uma nação e nos dizemos globalizados... No poder temos uma infinidade de pardais . Não são lindos, mas vestem Armani.

Globalizados nos interesses pessoais, sacrificam nosso direito constitucional - tico-ticos que somos. E vivem. Enquanto nós sobrevivemos das migalhas que deixam no rastro de sua passagem.

Enviada por Angela Togeiro: angelatogeiro@task.com.br Angela Togeiro é uma das autoras do livro Nós da Poesia que será lançado pelo selo IMEL no dia 11 de setembro, de 20hs às 22hs, na Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, estande da All Print editora (Pavilhão 2 - Laranja Rua B). Saiba como chegar no http://www.bienaldolivro.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos