7 de setembro: parada da independência ou independência parada?



Parada da independência
(ou: Independência parada)

Haroldo P. Barboza


Apesar de por cinco séculos
Sermos um povo dominado
Um dia iremos descobrir
Que não somos apenas gado.

De que adianta enaltecer
Que nosso chão possui riquezas
Se na maioria das casas
Não há comida sobre as mesas?

De que adianta dizer ao filho
Que nosso regime é de liberdade
Se por onde podemos caminhar
Prolifera a falta de igualdade?

Berço esplêndido apenas existe
Na canção do hino nacional
A grande parcela da população
Dorme sobre folhas de jornal.

No início de cada setembro
Ecoam desfiles da independência
Mas o sistema de comando
Aprisiona até a consciência.

Pensemos no escuro futuro
Que deixaremos às crianças
Um saco cheio de problemas
E vazios de ricas esperanças.

Vamos ensinar aos herdeiros
A idolatrar o hino e a bandeira
Para que em um tempo breve
Tenham amor à nação brasileira.

Independência só em moeda
É mero exercício de utopia
Liberdade de crescer feliz
Representa a real soberania.

No dia das paradas cívicas
Levemos o povo às janelas
Soldados baterão continência
Nós bateremos nas panelas!

Nesta segunda-feira, 07 de setembro, dia da "Independência" do Brasil, estudantes da PUC de Campinas saem às ruas à partir das 17 horas para protestar. "Coloque uma toalha branca na janela, buzine, faça barulho!"
Saiba mais sobre a ação em: giito.blogspot.com . Envie para brendajornalista@gmail.com informações da mobilização dos movimentos populares de sua cidade também nesse dia para postarmos neste blog.

O poema foi enviado por Delasnieve Daspet - Embaixadora do Brasil de Cônsul de Poetas del Mundo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina