Pular para o conteúdo principal

7 de setembro: Independência e educação


Por Carlos Lúcio Gontijo*

Nada nos incomoda mais que assistir a descaso governamental tão explícito no tocante à educação quanto a esse que ocorre em Minas Gerais, onde os professores estaduais de ensino fundamental e médio estão em greve desde 9 de junho e o governo se recusa a agir como magistrado, optando por atear, com o seu dar de ombros, na base do não estou nem aí, mais fogo na fervura da radicalização.

Não conseguimos absorver tamanho desleixo dos políticos, o silêncio comprometedor dos meios de comunicação mineiros e a letargia das demais autoridades estaduais constituídas, que talvez por não possuírem filhos nem netos em escola pública não se movem no sentido de colocar término ao impasse, agindo como se a educação não tivesse significado algum para a sociedade, que dela necessita como fator decisivo tanto para a construção do país quanto para o sucesso individual e coletivo dos cidadãos.

Reconhecidamente, o Estado deveria ser o promotor de constantes exemplos, em vez de patrocinar, como acontece em Minas Gerais, a ideia de que os professores são profissionais de segunda categoria ou não merecedores da devida valorização salarial, devendo exercer sua função indispensável à sociedade brasileira como se não passassem de uma espécie de missionários franciscanos, predispostos a sobreviverem a pão e água.

Não foi só a internet que tirou dos grandes veículos de comunicação o monopólio da notícia e da formação de opinião, pois houve nos últimos anos a propagação e abertura de vagas no ensino público fundamental e a consequente formação de cidadãos mais conscientes e menos dispostos a servirem de simples massa de manobra de imprensa metida em máscara partidária ou de maus políticos, que aos poucos vão descobrindo que não têm como se apresentar como tutores de trabalhadores ou comunidades, que estão saindo da inércia advinda da ignorância.

Estamos prestes, enfim, a contarmos com povo razoavelmente educado, abrindo mão da necessidade de eternos representantes e porta-vozes dos esquecidos, pois brevemente todos os brasileiros, tocados por si mesmos, procurarão se organizar para reivindicar seus direitos, conscientes de que a miséria e a desigualdade não são desígnios de Deus, mas projeto traçado pela ganância excludente dos homens.

Ainda há muito que ser feito em matéria de educação no Brasil, mas a universalização do ensino fundamental, ainda carente de qualidade abrangente, é o primeiro passo. Governar para a próxima geração, mais que nunca, é basicamente investir no processo educacional brasileiro, com reflexos futuros em todos os setores da vida em comunidade, pois um povo consciente acaba conquistando a tão esperada democracia econômica através de melhores salários pagos à mão-de-obra especializada, zelando por sua própria saúde, cuidando de sua higiene e, pela autodeterminação, liberta o país e ungi de asas a democracia social, presa aos grilhões da ignorância, que é a fonte de toda a desigualdade e má distribuição de renda e riquezas.
Vem aí a comemoração do Sete de Setembro, que nos remete à independência do Brasil, que depende cada vez mais do conhecimento e nível educacional ostentado por sua gente.

O momento, portanto, é de reflexão, pois podemos afirmar que todo o aperfeiçoamento do processo democrático se acha dependente do incremento de nosso sistema educacional, por intermédio do qual se erguerá no país uma ordem econômico-social em conformidade com os princípios de justiça, conciliando liberdade de iniciativa capitalista com a valorização do trabalho humano, que assim exprimirá com fidelidade o enunciado “Todo poder emana do povo e em seu nome será exercido”, firmado em todas as nossas constituições desde a de 1822.

Para fecharmos o artigo, em reconhecimento a tudo que devemos aos mestres da educação, principalmente aos do ensino fundamental, deixamos o poema que fizemos, há alguns anos, em homenagem à nossa primeira professora, Clélia Souto, que à época lecionava no Grupo Escolar Waldomiro de Magalhães Pinto, na cidade de

Santo Antônio do Monte, Centro-Oeste de Minas Gerais:



A Professora

Queria a rara mão protetora
Da inesquecível primeira professora
Sobre a minha ignara mão aprendiz
A vida é feliz e incerto bê-á-bá
Sempre há algo de novo no horizonte
Um aprendizado que de nós se esconde
Fazendo-nos eternas crianças inocentes
Então, como simples e virtuais sementes
Imploramos novamente pela mão cultivadora
De alguma iluminada e gentil professora
Pois a existência material não passa de quinhão
Que só se transforma em riqueza espiritual
À medida que absorvemos a grandeza da lição.


Por Carlos Lúcio Gontijo
Poeta del Mundo, escritor e jornalista
www.carlosluciogontijo.jor.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…