Pular para o conteúdo principal

Movimentos Sociais dizem não à Belo Monte no Dia Internacional de Luta contra barragens

Por Brenda Marques Pena*

Março não é só o mês internacional das mulheres e da poesia, mas também de luta conta as barragens, pela água, pelos rios e pela vida. Nesta segunda-feira divermos movimentos sociais em todo o Brasil fizeram um dia de manifestações contra a construção de hidrelétricas.

No Pará, os municípios de Anapu, Vitória do Xingu, Senador José Porfírio e Altamira participaram da reivindicação mundial. A concentração dos movimentos sociais da região do Xingu - todos contrários à construção da usina de Belo Monte foi em Altamira. Segundo informações do Movimento dos Atingidos pelas Barragens (MAB), a ideia do movimento é conscientizar a população sobre os prejuízos na área caso a obra continue.

Em fevereiro foi entregue nas mãos da Presidente Dilma Roussef, em Brasília um abaixo-assinado com mais de 500 mil assinaturas de brasileiros e estrangeiros contra a construção da hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingú, Pará.


Na ocasião cerca de 100 pessoas entre índios, comunidades ribeirinhas, pequenos agricultores, ambientalistas e simpatizantes protestaram em frente ao Congresso Nacional, em Brasília, e levaram a carta ao Palácio do Planalto.

Participaram dos protestos desta segunda, 14, Dia Internacional da luta contra barragens vários movimentos sociais, entre eles, os de pescadores que lançarm as redes no rio Xingu e assaram pescado em praça pública para distribuir aos manifestantes e uma enorme rede de pesca foi tecida para simbolizar a união da categoria. Segundo o coordenador do MAB, Michel Alves, o protesto é uma forma de contestar a liberação da Licença Ambiental, concedida pelo Ibama. "O Ibama, que é responsável por preservar as nossas riquezas, é o mesmo que concedeu uma licença para destruir à nossa ecologia".

A próxima manifestação contra as barragens está marcada para o final do mês em Santarém. O movimento Aliança Tapajós Vivo (ATV), que conta com a participação de um conjunto de organizações locais, programa para os dias 28 e 29, em Itaituba, um evento para protestar contra os projetos de construção de UHEs na região do Tapajós.

Segundo o padre Edilberto Sena, coordenador da ATV, é importante ter um dia de luta para despertar da população. "Assim como tem o Dia da Mulher, é preciso ter uma data alusiva à defesa da Terra e do nosso ecossistema. O governo brasileiro condiciona duas formas de gerar energia elétrica: ao petróleo e às águas dos rios, quando poderiam priorizar outras tecnologias, já que dinheiro para pesquisas existe", afirma.


*Brenda Marques Pena é jornalista e presidente do Instituto Imersão Latina. Colaborou com o envio de informações para esta matéria Ilma Teixeira, de Belém, do Pará. Seja também um colaborador do Imersão Latina, envie informações para info@imersaolatina.com. Cadastre-se também em nossa rede http://imersaolatina.ning.com e poste seus textos, fotos e vídeos.

Comentários

Otavio Silva disse…
Sou contra desde o inicio, um absurdo um castelo de pedras desses, que nem ao menos poderá trabalhar com sua capacidade máxima, então para que tão enorme absurdo, existe vidas ali, sou contra! totalmente contra!

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…