Temporada de maio do Terças Poéticas começa com homenagem a Pedro Nava

"Nenhum dos memoralistas brasileiros superou Pedro Nava, que em Baú de Ossos deu ao memorialismo um padrão de qualidade que as obras ficcionais contemporâneas a ela não conseguiram atingir. Nela, o escritor mineiro reconstruiu ambientes de sua ancestralidade, sem abrir mão da faculdade de preencher ficcionalmente as lacunas do que não pôde reconstitutir."
(Márcio José Lauria)


“À hora de levantar, ainda escuro, ouvimos pela última vez o apito da fábrica e ao seu silvo lancinante minha Mãe começou a chorar - entendendo pela primeira vez aquele apelo prolongado que a chamava para sua vida de operária dos filhos, de proletária da família. Logo enxugou as lágrimas e tocou pra frente. Enterrou ali mesmo sua existência de Sinhá-Pequena para iniciar a luta áspera da Dona Diva.” (Pedro Nava em Baú de ossos)

Pedro da Silva Nava nasceu em Juiz de Fora (MG) no dia 05 de junho de 1903. Antes de formar-se em medicina pela Universidade de Minas Gerais, em 1927, já fazia parte de grupos interessados pela literatura, como o “Estrela” e “A Revista” (1923), publicação modernista que contava com Carlos Drummond de Andrade, Martins de Almeida, João Alphonsus e Gregoriano Canedo.

Em 1924, encontrou-se com a caravana modernista, que mostrava o Brasil ao poeta francês Blaise Cendrars, da qual participavam Mário e Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral. Trocou, durante muito tempo, correspondências com o poeta Manuel Bandeira. Seu poema, “O Defunto”, foi publicado, em 1946, na “Antologia dos Poetas Bissextos”, organizada por Bandeira. Reconhecido como um dos melhores memorialistas do Brasil, sua obra mais conhecida, “Baú de Ossos”, foi publicada em 1972, seguindo-se “Balão cativo”, “Chão de ferro”, “Beira-Mar”, “Galo-das-Trevas” e “O Círio Perfeito”.

Este último foi agraciado, em 1984, com o prêmio “Livro do Ano”, concedido pelo Museu de Literatura da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo. Em 1973, recebeu, no Rio de Janeiro (RJ), o Prêmio Luísa Cláudio de Sousa, concedido pelo Pen Club, e o Prêmio Personalidade Global - Setor Literatura, concedido pela Rede Globo de Televisão e pelo jornal O Globo. No ano de 1974 recebeu o Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte – São Paulo (SP). O autor despediu-se do mundo na cidade do Rio de Janeiro (RJ), no dia 13 de maio de 1984.

Extraído da “Revista Verde”, Cataguases (MG), ano 1, nº 3, novembro 1927, pág. 23.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos