Pular para o conteúdo principal

Oratórios da Fome e Inconfidentes de Aleijadinho lembram a história da Inconfidência Mineira no dia de Tiradentes


Nesta quarta-feira, feriado de Tiradentes no Brasil o Quarteirão Fechado Xacriabá (da Praça Sete de Setembro de Belo Horizonte) recebe a mostra intitulada “ Os inconfidentes de Aleijadinho e os Oratórios da Fome” do artista plástico Severino Iabá. A exposição pode ser vista de 9 às 14 horas.

Foram selecionados 12 Oratórios do projeto de arte pública em andamento “ Fome nunca Mais - Memórias de um Sacrifícios” para esta mostra na capital mineira, representando assim os 12 profetas de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, que retratou os principais envolvidos na Inconfidência Mineira liderada por Tiradentes, segundo alguns pesquisadores, como a Isolde Hans Venturelli, diplomada de artes plásticas, didática e ciências jurídicas.

Os oratórios criados a partir de caixotes vazios de frutas serão expostos no chão da praça na forma de um círculo. No interior de cada oratório, um prato de alumínio contendo imagem digitalizada capturada pelo artista do lado de sua outra instalação “ O sacrifício” realizada em praças de 12 cidades brasileiras entre 1999 e 2000.

Através desta Mostra no dia 21 de abril, o artista exporá os resultados de sua experiência estética e política vivida há dez anos, num dos momentos críticos da sociedade brasileira, propondo neste momento um diálogo com a arte de Aleijadinho e os ideais revolucionários da Inconfidência Mineira.

Estes mesmos oratórios já percorreram com outro formato outras cidades de Minas e do Brasil , como Poços de Caldas e Contagem (MG), Recife (PE) e João Pessoa (PB) e Surubim (PE) e depois de Belo Horizonte, seguirão para Brasília – DF , com mostra definida para o dia 1º de maio na praça dos Três Poderes.

Severino Iabá,artista plástico, professor e ecologista iniciou nas artes plásticas ainda estudante sobre influência dos murais do artista plástico Francisco Brenannd criados em sua cidade natal e no Recife. Na década de 80, tornou-se religioso Marista, dedicando-se as questões educacionais. Na época, participou das “Diretas já” e de outros movimentos sociais, como as manifestações mundiais contra a pesca da Baleia. Como artista, criou escola de arte, participou da formação de grupos de artistas e de várias exposições individuais e coletivas, sendo premiado em salões de artes e selecionado na I Bienal Nacional de Santos com sua instalação “Espatifou-se” em 1991.

Depois de residir em Fortaleza, Recife, Natal e João Pessoa, transferiu-se para Belo Horizonte em 1993,onde continuou ligado aos movimentos sociais,culturais e ambientais de Minas. Alguns projetos de arte pública desenvolvidos em Minas Gerais:“ Intercâmbios”, “Terra do Sol, há vida...há morte”, “Valência Básica” “ O sacrifício -via-crúcis da fome e do desemprego”, "Guardiões pelo Chico", “Manifesto das Flores”. Operações de artes em andamento “ Rosas do Mundo”em homenagem ao Centenário De Guimarães Rosa, criou com a participação de outros artista de Minas o folguedo popular “Boi Rosado”. Em 2009 iniciou em Minas o projeto “ Fome Nunca Mais – Memórias de um Sacrifício”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…