Pular para o conteúdo principal

Especial: O Carnaval Carioca - Parte V

Escolas de Samba do Rio de Janeiro


Por Fernando Moura Peixoto 
(ABI 0952-C)


DO SAMBÓDROMO À INTERNET

“Sem bicho [o jogo] e bicha não há carnaval.” CARLOS IMPERIAL (1935 – 1992)

Em 1984, com o projeto arquitetônico de Oscar Niemeyer (1907 – 2012) e em rápida execução, inaugurou-se, no governo de Leonel Brizola (1922 – 2004), a designada ‘Passarela do Samba’ (Passarela Professor Darcy Ribeiro, 1922 – 1997), na Rua Marquês de Sapucaí. Local aparentemente definitivo – salvo especulações sobre novas mudanças que ora ou outra surgem eventualmente – para ser o palco das escolas. Logo apelidado de ‘Sambódromo’, é dotado de espaçosas e imponentes arquibancadas de concreto armado e de reversíveis camarotes que se tornam salas de aula no período letivo, em um CIEPCentro Integrado de Educação Pública. Há ainda uma gigantesca ‘Praça da Apoteose’, na qual as escolas deveriam evoluir após as apresentações. Esta ideia da ‘apoteose’, considerada inviável, foi revogada pelos próprios sambistas dois anos depois.

Na estreia da Passarela do Samba, no carnaval de 1984, deu Mangueira na cabeça, com o enredo ‘Yes, Nós Temos Braguinha’. Descontentes com a sua Associação, um grupo de dirigentes das principais organizações do samba fundou, em 24 de julho daquele ano, a Liga Independente das Escolas de Samba, LIESA, que se encarregaria dos interesses das agremiações e da preparação dos desfiles, utilizando a informática.

No vai e vem dos deslocamentos, da Praça Onze de Junho à Marquês de Sapucaí, passando pelas avenidas Rio Branco, Pres. Vargas e Pres. Antônio Carlos, os desfiles das escolas de samba transformaram-se em uma atração internacional, constituindo-se no ponto alto do carnaval brasileiro e num dos mais belos, ricos e luxuosos espetáculos visuais do mundo, em que não falta tecnologia, engenho e arte.

No entanto, o crítico e pesquisador José Ramos Tinhorão (1928 -) acha que “os sambistas cometeram um suicídio cultural. Eles, ingenuamente, acreditaram que com a participação de cenógrafos e gente da alta sociedade nas suas escolas seriam melhor aceitos. Não ficaram mais bonitos, continuam pobres e agora só participam do carnaval pelo esforço físico da caminhada e pelo trabalho braçal de empurrar carros”.

Polêmicas infindáveis à parte, estamos vivendo o décimo sexto carnaval do século 21.  Hoje temos festa, samba e desfiles transmitidos via internet para todo o planeta. Felizmente não se materializou o vaticínio do sambista Martinho da Vila feito há mais de vinte anos. Segundo o compositor e cantor de Vila Isabel, as escolas de samba, patrocinadas e oligopolizadas, iriam se apresentar nos folguedos momescos do Terceiro Milênio exibindo marcas e logotipos de produtos e empresas. Será que quem sobreviver ainda verá?




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…