Pular para o conteúdo principal

Especial: O Carnaval Carioca - Parte IV


Por Fernando Moura Peixoto 
(ABI 0952-C)



CARNAVAL CARIOCA, ATRAÇÃO INTERNACIONAL

“Eu conheci o samba de pé descalço, hoje o samba está de smoking.” ISMAEL SILVA (1905 – 1978)

Na década de 1960 houve o declínio do rádio e a ascensão da televisão. Circulavam muito por toda a cidade os denominados ‘blocos de embalo’, sendo os principais os rivais ‘Bafo da Onça’ e ‘Cacique de Ramos’. Os componentes desses blocos marcavam o ritmo batendo dois tamancos com as mãos.
Em 1963, já instituídas pelos órgãos de turismo as entradas pagas, há o crescimento e o retorno dos desfiles à Av. Presidente Vargas. Em 1965 - já em pleno regime militar de exceção -, o governador Carlos Lacerda (1914 – 1977) financiou amplamente as escolas de samba a fim de que se exibissem rica e luxuosamente – as fantasias eram obrigatórias pelo regulamento, desde 1952 – durante o carnaval do quarto centenário de fundação da Cidade.

Nos anos seguintes, as Escolas foram se tornando o centro das atenções do carnaval do Rio de Janeiro. Cobravam-se ingressos para que os certames pudessem ser apreciados por um público em expansão: milhares de populares e turistas, acomodados em improvisadas arquibancadas, desmontáveis. As transmissões feitas pelas emissoras de televisão contribuíram para uma afluência de segmentos dos setores artísticos, culturais e da sociedade aos desfiles.

A partir de 1965, com a pioneira ‘Banda de Ipanema’, desenvolveram-se nos bairros e nas ruas grande número de bandas carnavalescas que esquentavam mais ainda as folias de Momo. Em 1967, a classe média engrossa a frequência dos ensaios das escolas de samba. E o samba-enredo ‘O Mundo Encantado de Monteiro Lobato’, da futura campeã Mangueira, fez inusitado sucesso nos salões dos bailes de carnaval.
Ao final do ano de 1967 era gravado um disco de vinil em LP com os sambas-enredos do Carnaval de 1968, antecipando assim ao povo, pela primeira vez, letra e música das escolas de samba. Em 1969/1970, a Portela traz os seus ensaios para a sede náutica do clube Botafogo, no Mourisco, na zona sul carioca.

Nos anos 1970, comercializam-se e agigantam-se as Escolas. O samba e os sambistas são ofuscados pelo brilho das fantasias e da beleza dos carros alegóricos. Para evitar os constantes atrasos nos desfiles, limitou-se o tempo de exibição de cada escola na pista.
Em 1974 e 1975, a apresentação dos sambistas foi deslocada para a Avenida Presidente Antônio Carlos. E, em 1978, para a Rua Marquês de Sapucaí. É interessante ressaltar que já havia um plano elaborado, desde 1974, na Associação das Escolas de Samba, AESEG, manifestando a necessidade imperiosa de se fixar os desfiles em um lugar apropriado e permanente, exatamente naquele logradouro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…