Pular para o conteúdo principal

Brasil: O perfeito habitat da individualidade

Por Carlos Lúcio Gontijo * 
www.carlosluciogontijo.jor.br

Vivemos em um mundo de idealismo escasso. Os políticos de hoje só se sentem responsáveis pelos problemas sociais se estiverem investidos de algum mandato. Ex-prefeitos ou ex-vereadores, em cidades grandes e pequenas, assistem seu município ruir e não movem uma palha, agindo como se não fizessem parte da sociedade à qual um dia comandaram.
Há muito tempo, não voto em candidato a vereador que alega poder, uma vez eleito, fazer muito mais pela comunidade. Na maioria das vezes, trata-se de pessoa com relevante trabalho comunitário, buscando uma explicação minimamente palatável para a sua entrega à cooptação, ou sedução pelas benesses oficiais da vereança.
Minha proximidade profissional com o jornalismo, a literatura e a poesia me passa a certeza de que estamos mergulhados num contexto de falta de amor e interpretação de texto – fruto do materialismo egoísta e da espantosa quantidade de analfabetos funcionais. Assistimos a um radicalismo político sem precedentes, com muita gente jogando os ensinamentos da história brasileira na lata de lixo e colocando-se como defensor explícito do retrocesso e, em alguns casos, apresentando o pelourinho e as masmorras como se fossem novos projetos de luz e libertação democrática.
A vida inteira, à maneira e uma espécie de norma para viver em paz, eu tentei mover-me sempre à distância daqueles que não veem nada além si mesmos. Contudo, não há como fugir dessa tragédia com a manutenção, por exemplo, de uma conta no “facebook”, onde a pessoa se sente anônima na multidão e, assim, a individualidade encontra o seu habitat perfeito, a ponto de as monstruosidades e demonstrações explícitas de intolerância, preconceito e racismo saírem tranquilamente do armário, com toda a pompa, circunstância e língua mais afiada que a guilhotina da Bastilha.
Não há na atual conjuntura qualquer possibilidade de estabelecimento de diálogo, pois todos abraçaram a surdez que se apropria de todo dono da verdade, que não está nem aí para abrir espaço em sua trincheira de luta fundamentalista, na qual a opinião contrária não deve ser sequer ouvida e se possível eliminada.
Confesso-lhes que tenho a minha página virtual na internet como se fosse um mural de divulgação de minha obra literária, apesar da consciência de que poucos (ali) se interessam pelo assunto. Se posto alguma mensagem de autores como Carlos Drummond ou Guimarães Rosa, observo que a repercussão é quase que zero, comprovando que nossos intelectuais de relevo no mundo da literatura e da poesia são apenas símbolos citados em discursos, numa forma de falsa demonstração de erudição, mas efetivamente não são lidos pelos deslustrados agentes que pinçam suas frases.
Basta um rápido estudo do quadro político de qualquer uma das pequenas cidades do interior brasileiro, para se chegar à conclusão de que no Brasil a política é um intrincado jogo de interesses imediatistas, no qual o poder público é tratado como coisa de ninguém, tanto pela população quanto pelas autoridades legalmente constituídas, que negociam inescrupulosamente os cargos da máquina administrativa, sangrando os cofres públicos e levando os municípios à bancarrota.
Lamentavelmente, quando falamos em corrupção política somos obrigados a nos remeter à sociedade, que é de onde saem os nossos representantes, que uma vez eleitos repetem no exercício de seus mandatos os mesmos ilícitos e os mesmos “jeitinhos” inseridos no relacionamento cotidiano entre os cidadãos, onde todos querem levar vantagem em tudo, pouco se importando com o avanço de uma sociedade em que é natural o mais capaz ser substituído pelo mais sagaz, confundindo inteligência com a malandragem da esperteza.  

Carlos Lúcio Gontijo é poeta, escritor e jornalista

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…