Pular para o conteúdo principal

#Paraguai: Denúncia de perseguição à defensora de direitos humanos dos povos indígenas do Chaco


Mirta Moragas
Facción Latina

A Suprema Corte do Paraguai "advertiu " um advogado que criticou o fracasso do ministro . Em dezembro de 2015, a Superintendência da Corte Suprema emitiu uma "repreensão e advertência" contra a advogada Maria Julia Cabello Alonso, defensora dos direitos humanos, integrante da organização Tierraviva, pertencente aos Povos Indígenas do Chaco. O aviso é dado como resultado de um resumo promovido pela Ministro do Tribunal , Gloria Bareiro de Modica, na sequência de uma declaração assinada pela organização de Julia, criticando uma decisão no âmbito das suas funções.
Este aviso abriria um precedente perigoso para o trabalho em defesa dos direitos humanos no Paraguai.

Tierraviva é uma organização que desde 1994 trabalha com comunidades indígenas no Bajo Chaco em defesa de seus direitos à terra, território e recursos naturais, juntamente com as comunidades, Tierraviva levou o Estado paraguaio perante a Corte Interamericana de Direitos Humanos (Inter-American) em três casos: Yakye Axa, em 2005; Sawhoyamaxa, em 2006; e Xákmok Kásek em 2010. No caso Sawhoyamaxa, uma das medidas de reparação solicitadas pela Corte Interamericana envolveu a restituição de terras para a comunidade. Esta restituição foi feita através da expropriação de 14.404 hectares em favor da comunidade indígena Sawhoyamaxa, no Chaco paraguaio. A lei de desapropriação foi impulsionado judicialmente duas vezes. O segundo foi promovido por empresas Kansol SA e Roswell Company SA, proprietária da Roedel, focada no artigo 3º da Lei 5.194 de 2014. Esta disposição previa a indemnização a pagar ao proprietário do terreno a ser desapropriada para o povo Sawhoyamaxa.

A ação foi apoiada pelo ministro Bareiro. A notícia foi divulgada e Tierraviva emitiu uma declaração assinada por Julia Cabello alertando que as ações da juíza foram contra a segurança jurídica da República, porque abrem um precedente perigoso.  "Na sequência desta declaração, a ministra Bareiro Cabelo denunciou perante o Conselho de Superintendência e abriu processos administrativos.

María Julia Cabello Alonso
A resolução é de 9 de Dezembro de 2015 e foi objecto de recurso por Tierraviva.

Julia Cabello é uma defensora dos direitos humanos, ativista muito conhecida e amada. Esta perseguição tem sido criticado por muitas organizações a nível nacional e internacional. É assim que o poder usa o aparato estatal  para admoestar a advogada por criticar a Ministra da Suprema Corte do Paraguai. Esta é a análise jornal,  de 29 de dezembro de 2015.
http://ea.com.py/v2/amonestan-a-abogada-por-criticar-a-ministra-de-la-corte/ 

Não estão dispostos a admitir bom senso, garantido na Constituição. Se estão fazendo isto com Julia, estão fazendo com todas as pessoas que defendem os direitos humanos.

*Tradução: Brenda Marques Pena
Fotos: tierraviva.org.py


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…