Pular para o conteúdo principal

Carnaval, memória, invenção e alegria!

Iara Abreu, pintura realizada no projeto Pintando ao Vivo em Contagem, no pré-carnaval de 2014

Por Adriana Borges
conselheira do Imersão Latina

Carnaval - samba no pé, bloco, marchinhas, maracatu, frexo, axé, eu topo tudo que vier. É a festa da música, da alegria, de gente que gosta de viver, de se alegrar, de brincar, de se recolher. Sim, há quem goste do carnaval só por conta do feriado mesmo, para poder viajar, curtir uma folga e ficar bem longe da multidão. Eu gosto de carnaval desde criança. Já pulei em clubes, passei na praia, pulei em cidades históricas e fui até para Olinda. Mas também já fiquei quieta em casa, vendo os desfiles de carnaval, já passei acampada na Serra do Cipó, bem longe da festa.

Mas minha paixão por esta festa brasileira nunca acaba. O carnaval é o ponto alto da cultura brasileira. É essa alegria fantasiada que a gente conhece desde criança e não tem como não admirar. O carnaval é a nossa festa da Esperança. É essa celebração mais sincera dos nossos costumes mais ancestrais, de como aprendemos a ser felizes, através do batuque, da música, da dança, do resgate da nossa história, da valorização do nosso povo e dos seus talentos. O carnaval é a festa da criatividade, do luxo, do requinte, do alegórico, do engraçado, da fantasia. É nossa hora de brincar de ser feliz, de tirar e colocar outras máscaras e cair na folia, sem nenhuma inibição. A gente até samba sem saber, se alegra sem saber porquê, e segue em frente, que essa alegria sem motivo é necessária para dar conta da vida.

O Brasil nasceu assim rindo para ficar contente. E a gente brinca para tirar alegria da tristeza, ou melhor, transformar o lamento em redenção. Sem o carnaval o nosso povo não teria uma identidade tão marcada pela alegria. Mas não é só isso. O brasileiro é forte, é bravo, é guerreiro, e mesmo com todos os problemas que enfrenta sabe sorrir e dar a volta por cima. O carnaval é isso. É a nossa capacidade de lutar para transformar sonhos em realidade. É nossa firmeza no chão, na luta, no trabalho, no dia-a-dia, mas movido, motivado pelo sonho que um dia será melhor. Do barracão de favela saem as fantasias e alegorias mais lindas e suntuosas, cuidadosamente confeccionadas por muita gente humilde, batalhadora, que vive sem nenhum luxo.

Fazer este carnaval acontecer na Avenida, na Marques de Sapucaí, é viver a realização de um sonho de grandeza, de superação, que só o samba faz, que só uma escola traz. Se o carnaval é a grande festa brasileira é porque precisamos de festa, apesar da tristeza. A nossa real alegria não é simplesmente espontânea, nascida de uma alegria sem motivo apenas. Ela passa, intensamente, pela experiência da tristeza, das perdas, das faltas, dos abandonos, dos descasos, de que a maioria da população sente e se ressente a todo momento.

 A nossa alegria é fruto da nossa luta, de tirar forças das tripas, do fundo do coração, de onde a gente nem sabe para poder seguir em frente. Porque não aceitamos a tristeza como nossa marca. Somos felizes sim, no carnaval, por alguns dias, e em mais outros 300 sim, durante todo o ano, quando reunimos nossas energias para trabalhar por um novo enredo, para começar tudo de novo, a cada instante, com toda a esperança de que temos direito. Somos felizes sim porque nossa natureza é resistir. Uma das coisas mais bonitas do carnaval brasileiro é a valorização da nossa História, da nossa cultura e da nossa gente, que as escolas de samba do Rio de Janeiro e de outros Estados trazem.

Acho comovente e muito digno, que a nossa alma seja preservada justamente pela invenção e a genialidade das pessoas mais simples, dos carnvalescos das escolas de samba, pelos músicos, mulheres e crianças das vilas e favelas. E são sambas-enredos lindos que conduzem essa festa maravilhosa, cheios de força, ritmo e energia. Essa festa que é única, é nossa, amada e admirada pelo mundo inteiro é um show de vida! Salve o Brasil! Que o carnaval nunca foi um atraso de vida para gente!

 Minha opinião, simples e singela, é que precisamos do carnaval! Sem ele, não teríamos tanta esperança e tanta força para seguir em frente. Depois de tantos tropeços, de tanta malandragem que vem lá de cima, da classe do luxo sem luta, precisamos de ter alguma alegria, de tomar uma e se divertir. Senão ninguém aguenta. É como o nosso grande poeta Chico Buarque de Holanda canta: “Apesar de você, amanhã há de ser outro dia!”. É por ai... Precisamos cantar, sambar e espantar a tristeza porque a nossa felicidade é uma construção, uma invenção, é o nosso jeitinho brasileiro de enfrentar a vida!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…