Pular para o conteúdo principal

Frida Kahlo – Um ícone na arte e na vida

Por Adriana Borges



Uma mulher apaixonada, autêntica, sofrida, transparente e revolucionária. A pintora mexicana Frida Kahlo nasceu em 1907, na Cidade do México. Sua história é carregada de tragédias e paixões. Pintora de estilo único, sua obra é impregnada de um forte espírito nacionalista, mas visivelmente marcada por sua história pessoal, um reflexo de suas dores físicas e afetivas, e da intensa busca pela liberdade.

Quando criança teve poliomielite e ficou com a perna direita mais fina e curta que sua esquerda. Aos 18 sofreu um acidente que trouxe muita dor; o choque de seu ônibus com um trem partiu sua coluna e quebrou vários ossos. Ela passou anos de repouso se recuperando. A idéia de pintar partiu de Frida, que se tornou sua própria modelo com ajuda de um espelho instalado na cama.


                                                A cama voadora - 1932

Aos 21, conheceu Diego Rivera – pintor muralista renomado, comunista e muitos anos mais velho que ela. Casaram-se em 1929. O marido exerceu grande influência na formação de sua personalidade política e artística que valorizava as raízes culturais mexicanas e suas origens índias.

O encontro com Rivera, seu círculo de amigos e a intimidade com Andre Breton, Marcel Duchamp, Trótski, Henry Ford e Dolores del Rio permeia todo o trabalho de Frida. Mas além das referências políticas e estéticas, o sofrimento com o corpo, as inúmeras cirurgias pelas quais passou e a construção de sua identidade pública são temas presentes em sua obra.

                                                        auto-retrato Frida Kahlo

O relacionamento dos dois artistas no contexto da Revolução na Cidade do México, o papel que ela exerceu como mulher, artista e militante colaboram para a construção de uma obra bastante politizada, mas ao mesmo tempo individual. Frida é a principal personagem de seus quadros. Seu universo particular e rico moldou uma mulher que se revelava transparente, corajosa e inovadora ao se despir em suas obras. “Nunca pintei sonhos. Pintava minha própria realidade”, dizia.


                                                         A coluna partida, 1944

Sua obra com aproximadamente 200 telas, considerada pequena, é bem maior em termos de notoriedade e reconhecimento por parte do público do que a do marido Diogo Rivera. A obra de Frida expõe o rosto da mulher mexicana, nacionalista, de traço forte e feminino. Sua arte é profundamente realista, ainda que, em determinado período, tenha sido classificada como surrealista. Seus autorretratos são perturbadores e constantes, um reflexo do seu mundo interior apaixonado.

A relação intensa com Diego Rivera foi marcada por traições de ambas as partes. Nos períodos de separação, Frida acabou produzindo muito e conquistando sua independência econômica passando a viver de sua arte. Sua obra começou a ser reconhecida no México e internacionalmente a partir da década de 40. Expôs em Nova York, em Paris, e lecionou em escolas de arte mexicanas.


Com a saúde frágil e presa mais uma vez a cama, Frida entrou em depressão. O tema da morte, que sempre permeou sua obra, tornou-se mais constante. Frida morreu em julho de 1954, na Casa Azul, no México, que hoje abriga o Museu Frida Kahlo. A vida da artista foi retratada no filme “Frida”, de 2002.

"Las dos fridas", 1939. Pintado em Paris, o coração sangrando, ela expõe seu sentimento de dupla personalidade: a mexicana, a direita, adorada e querida (inclusive por Diego) e uma versão 'européia', sofrida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…