As perspectivas de trabalho para jovens no Brasil são discutidas em Fórum online


No Brasil, é significativo o número de jovens que não trabalham nem estudam. Diante desse cenário, a Rede Mobilizadores promove, até 14 de novembro, o fórum online Juventude, trabalho e educação , para debater as principais questões relacionadas às perspectivas de trabalho para os jovens.

Essa geração sem trabalho e estudo tem sido chamada de nem-nem . No entanto, muitos especialistas consideram a expressão pejorativa e injusta, tendo em vista que o perfil desse jovem é mulher, mãe, pobre e habitante da região Norte ou Nordeste.

A professora Maria Carla Corrochano, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em São Paulo, lembra que pensar em trabalho de jovens é pensar também em melhorar a educação, possibilitando conciliar o trabalho com os estudos e a vida familiar .

Ela afirma que "o jovem de hoje não quer trabalhar somente para ter dinheiro; ele procura independência e autonomia em um emprego digno, com carteira assinada e salário justo, sem longas e exaustivas jornadas que dificultam a continuidade dos estudos na universidade ou num curso de qualificação .

No entanto, ao buscarem seu direito de estudar, trabalhar e realizar seus sonhos, os jovens, especialmente os mais pobres, têm se deparado com grandes impasses. Por isso, muitos deles têm identificado oportunidades de trabalho nos locais onde vivem, prestando serviços ou desenvolvendo projetos culturais, ou seja, eles aparecem nas estatísticas como inativos, mas, na verdade, têm criado novas formas de obter renda e exercer seu potencial criativo.

Um exemplo é a criação dos moto-táxis nas favelas do Rio de Janeiro, que resolveu um problema de transporte na cidade, mas ainda continua na informalidade. Há outras diversas iniciativas culturais que têm movimentado especialmente as periferias das cidades brasileiras.

O que é necessário para assegurar aos jovens o direito de conciliar trabalho e estudo? Como melhorar a qualificação dos jovens, especialmente dos mais pobres? De que maneira podemos valorizar alternativas de geração de renda criadas nas favelas e periferias? O que fazer para estimular os jovens a criarem formas próprias de trabalho e de realização profissional? Essas são algumas das questões que serão debatidas durante o fórum.

O fórum é gratuito e vai acontecer no eixo Erradicação da Miséria . Para participar é preciso estar inscrito no site da Rede Mobilizadores. O processo é simples e fácil, basta acessar o site (www.mobilizadores.org.br) e clicar em Inscreva-se. 

Mais informações pelo telefone (21) 2528-3352 ou no site.

Fonte: Rede Mobilizadores

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos