Zuenir Ventura vira imortal

O jornalista e escritor Zuenir Ventura, 83 anos, foi eleito para a Academia Brasileira de Letras, na tarde desta quinta-feira (30/10). O novo imortal ocupará a cedeira de número 32, que pertenceu ao escritor e dramaturgo paraibano Ariano Suassuna, morto em julho deste ano em decorrência de um AVC. 
Nascido em 1931 em Além Paraíba, interior de Minas Gerais, Zuenir ingressou no jornal carioca "Tribuna da Imprensa" nos anos 1950. Em 1959, recebeu uma bolsa do governo francês para estudar em Paris, e atuou como correspondente da "Tribuna", fazendo coberturas de eventos históricos, como a passagem de João Goulart pela capital francesa antes de se tornar presidente e o encontro de cúpula em Viena entre Kennedy e Kruschev.
Zuenir depois retornou ao Brasil e trabalhou em veículos como "O Cruzeiro" e "Visão". Em 1968 foi preso, acusado de atividades subversivas pela ditadura militar. Ele depois escreveria um dos maiores destaques de sua bibliografia: "1968: O Ano que Não Terminou" (1989), que se tornaria inspiração para a minissérie "Anos Rebeldes", da Rede Globo. Nos anos 1970 e 1980, Zuenir ocupou ainda cargos de chefia em publicações como as revistas "Veja" e "IstoÉ".
Em 1989, o jornalista foi enviado para o Acre para cobrir para o "Jornal do Brasil" um dos casos de maior repercussão daquele ano: o assassinato do líder seringueiro Chico Mendes. Com as reportagens, Zuenir ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo e o prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos.
Ele ainda voltaria ao tema em 1990, quando voltou à região para acompanhar o julgamento dos responsáveis pela morte de Chico Mendes. O caso foi retomado no livro "Chico Mendes - Crime e Castigo", publicado em 2003, obra que reúne as reportagens originais sobre o seringueiro e também narra uma viagem de retorno ao Acre 15 anos depois, na qual Zuenir revisitou lugares e personagens envolvidos no crime.
Em 1995, Zuenir ficou com o segundo lugar no Prêmio Jabuti de Reportagem pelo livro "Cidade Partida", em que conta a experiência de passar nove meses frequentando a favela de Vigário Geral e retrata as causas da violência no Rio.
No cinema,  ele codirigiu o documentário "Um Dia Qualquer" e foi roteirista de outro, "Paulinho da Viola: Meu Tempo É Hoje", de Izabel Jaguaribe. Suas livros mais recentes são "Minhas Histórias dos Outros", "1968 - O que Fizemos de Nós" e "Conversa sobre o Tempo", com Luis Fernando Verissimo.
Em 2008, Zuenir Ventura recebeu da ONU um troféu especial por ter sido um dos cinco jornalistas que "mais contribuíram para a defesa dos direitos humanos no país nos últimos 30 anos". Em 2010, foi eleito "O jornalista do ano" pela Associação dos Correspondentes Estrangeiros.
Aos 81 anos, em 2012, o jornalista se lançou à literatura e publicou seu primeiro livro de ficção, "A Sagrada Família", em que se inspira em suas memórias para narrar as descobertas, relações afetivas, sexuais, a culpa e o pecado de um garoto na década de 1940.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos