Pular para o conteúdo principal

Escritores, familiares e amigos fazem tributo ao escritor Jeferson de Andrade nesta quarta


Sobre o escritor Jeferson de Andrade, Carlos Herculano Lopes escreveu para o Jornal Estado de Minas:


Um dos autores mais respeitados de sua geração, foi enterrado em 9 de abril de 2013, em Paraguaçu, no Sul de Minas, o corpo do escritor Jeferson de Andrade, de 65 anos. De acordo com seu irmão, Delson de Andrade, ele foi internado quarta-feira no Hospital São Lucas, em Belo Horizonte, e morreu no sábado, em decorrência de um câncer no intestino, contra o qual vinha lutando já há algum tempo.

Autor de 15 livros, Jeferson começou a despontar para a literatura no início dos anos de 1970, em BH, quando criou o selo Edições Marginais, no qual publicou seus primeiros trabalhos e ainda autores como Murilo Rubião, Luiz Vilela, Roberto Drummond e Antonio Barreto.

O escritor se mudou para o Rio no fim dos anos 1970 e trabalhou em 'O Pasquim' e na Editora Codecri, que pertencia ao jornal. Convidado pela Editora Record, passou a exercer o cargo de editor de autores brasileiros. Um dos seus grandes feitos foi ter conseguido levar para a editora o poeta Carlos Drummond de Andrade, do qual se tornaria amigo. Já nos anos de 1990, em São Paulo, Jeferson passaria a trabalhar na Geração Editorial, do jornalista Luís Fernando Emediato.

Como escritor, seu livro mais conhecido foi 'Ana de Assis – História de um amor trágico'. Lançado em 1987, traz o depoimento de Judith Ribeiro de Assis a respeito da mãe, Anna, e do pai, Dilermando de Assis, que matou o escritor Euclides da Cunha em 1909. O livro serviu de inspiração para a minissérie 'Desejo', exibida pela Rede Globo em 1990. Jeferson de Andrade deixa quatro filhos. Ele havia voltado a morar em BH, onde editava o jornal 'A Folha' do Padre Eustáquio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…