Pular para o conteúdo principal

Sobre a miséria e a desigualdade social


Por Leonardo Boff*


“Quase 40 milhões de pessoas passam fome no Brasil. No mundo são mais de um bilhão de famintos. (...) Para cada seis pessoas que habitam o planeta hoje, uma não tem o que comer. (...) A proporção brasileira é ainda pior. (...) Pelas contas do IBGE, mais de um a cada cinco cidadãos está sem comida no prato. (...) Um quinto da população daqui está com fome, em estágio de desnutrição ou subnutrição. Os números (...) foram divulgados recentemente pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a alimentação (FAO). (...) Há no mundo 8,6 milhões de pessoas com ao menos 1 milhão de dólares em caixa. O Brasil tem 131 mil milionários (em dólar). Está entre os dez primeiros no ranking dos países com mais milionários. É o fruto do seu histórico erro na divisão do bolo.” (*)

Os dados acima não deixam dúvidas: o Capitalismo, vinte anos após a queda do muro de Berlim, continua desumano e altamente concentrador de renda e riqueza. É inadmissível, hoje, que pessoas conscientes fiquem repetindo slogans usados na Guerra Fria como se fossem verdades absolutas. Capitalismo não é sinônimo de democracia e de igualdade de oportunidades, assim como Socialismo não é sinônimo de totalitarismo. Sistemas econômicos não podem ser confundidos com regimes de governo.

É possível uma democracia socialista, assim como existiram e ainda existem no mundo regimes ditatoriais em países capitalistas. Se a pressa é inimiga da perfeição, no caso das mudanças políticas e sociais, as duas coisas se tornam arquiinimigas e os apressados se tornam opressores, assassinos, torturadores e genocidas. Na busca da felicidade do ser humano, mais vale a evolução do que a revolução.

O Capitalismo sustentado no endeusamento do indivíduo está morrendo. Aqueles que usufruem de privilégios nesse sistema injusto e desumano tentarão, com todas as suas forças, prolongar sua agonia. Já aqueles que amam a humanidade sabem que caminhamos inexoravelmente para um novo sistema econômico. E, visando a construção desse novo mundo em que o Estado controlará a economia para distribuir renda e reduzir drasticamente a imoral e exacerbada desigualdade social vigente no planeta, eles continuarão seu trabalho de desmonte do sistema capitalista e de convencimento dos homens da superioridade do novo que há de vir sobre o velho que há de ir. Leonardo Boff define o novo como uma “hiperdemocracia que valorize cada ser e cada pessoa e garanta a sustentabilidade do coletivo que é a geosociedade nascente”. Não importa o nome que se dê à nova organização social e política que se impõe como necessária à sobrevivência futura da humanidade. O que realmente importa é que essa nova organização contemple o “equilíbrio entre o “eu” e o “nós” (...) que articula ambos os pólos. Ela acolhe o indivíduo (eu) e o vê sempre inserido na sociedade maior (nós) como cidadão” (**).

Quando lograrmos mudar a cabeça dos homens e torná-los fraternos e livres da atração febril que sentem pela riqueza e pelo poder e da admiração cega que nutrem pelos ricos e poderosos, não precisaremos de regimes de governo totalitários para buscar novos caminhos para a humanidade. Quando chegar a hora certa, as coisas acontecerão, a mudança virá e não teremos mais uma sociedade humana como a de hoje, que exibe friamente os números vergonhosos com que iniciamos este artigo e ainda transfere para as suas vítimas a culpa por suas próprias contradições.

(*) Fonte: Editorial da revista “ISTO É” Nº 2068.
(**) Leonardo Boff em “O individualismo tem ainda futuro?”

Enviada por Luiz Lyrio www.luizlyr.blogspot.com em 2009.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…