Pular para o conteúdo principal

Arranjos de Pássaros e Flores será lançado nesta terça no Café Book

Foto de Wilmar Silva por Cristiano Machado

Como sempre acontece nos lançamentos e nas performances de Wilmar Silva, “Arranjos de Pássaros e Flores” será apresentado nesta terça, no Café Book com uma instalação física e sonora, onde espaço e tempo se tornam a natureza de uma linguagem, com pássaros ao céu e com flores ao chão, mostrando o jardim de inverno de um poeta em estado de liberdade, sendo a vida a origem dos sentidos, eternamente em metamorfose, recriando ao vivo a poética e a política de uma ecologia.

“ARRANJOS DE PÁSSAROS E FLORES”

O poeta Wilmar Silva, curador do projeto de poesia Terças Poéticas, lança na próxima terça-feira, dia 12 de julho de 2011, a partir das 18h30, no Café Book, Rua Padre Rolim, 616, esquina de Avenida Brasil, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, o livro de poesia “Arranjos de Pássaros e Flores”, pela editora Asa de Papel, de Álvaro Gentil, com projeto gráfico de Marcelo Xavier, produção de Délio Campos, textos de apresentação de Alécio Cunha e de Fabrício Carpinejar, orelhas de Anelito de Oliveira. Além da poeta e artista visual Regina Mello, diretora do Museu Nacional da Poesia, que fará uma apresentação ao vivo sobre a poética de “Arranjos de Pássaros e Flores”.

Para o inesquecível jornalista Alécio Cunha, “Arranjos de Pássaros e Flores é prova inequívoca da maturidade de Wilmar Silva, um dos principais poetas em atividade na cena literária contemporânea brasileira, a despeito das dificuldades de circulação do objeto poético tanto nas livrarias como no âmbito acadêmico, que ainda insiste na valorização necessária, mas não logicamente única de cânones defuntos.” Para o escritor Carpinejar “Os imitadores seqüestram o autor original e cobram um resgate baixo, desvalorizando a vítima. A estranheza se transforma em regra e o que era motivo de adoração e exclusividade vira moeda corrente. Clones surgiram aos borbotões na poesia brasileira, de Cabral, de Drummond, dos concretistas. Manoel de Barros foi a última vitima do saque. Como se arrombar a gramática e transformar verbos em substantivos produzissem atributos suficientes para qualquer um chegar à grandeza do escritor do Pantanal. Estilo não se copia. Ninguém vai produzir coca-cola transcrevendo sua fórmula. O poeta mineiro Wilmar Silva é uma surpresa neste cenário de homens duplicados.” E para o ensaísta Anelito de Oliveira “Wilmar Silva deseja vivenciar uma espécie de “tempo do todo”, uma totalidade perdida no curso da história; deseja, como os românticos alemães, religar-se a uma instância cultural da qual foi arrancado, regressar ao seu mundo originário.”

Ativista da poiesis Wilmar Silva tem trabalhado com projetos de poesia que inseriram Minas Gerais em diálogo com as poéticas contemporâneas de agora no Brasil e no mundo. Exemplos do projeto de leitura, vivência e memória de poesia Terças Poéticas que acontece semanalmente desde 2005 nos jardins internos do Palácio das Artes, do projeto de pesquisa de poesia de línguas neolatinas PORTUGUESIA Minas entre os povos da mesma língua, antropologia de uma poética, contraantologia em livrodvd com 101 poetas de Portugal, Guiné-Bissau, Cabo Verde e Brasil (MG), com 5 poemas de cada poeta e 2hs de videopoesia em DVD, encartado ao livro, gravado in loco durante as viagens do poeta em 2008, do programa TROPOFONIA, uma experiência de linguagem, que vai ao ar às segundas-feiras, 23 às 24hs, pela rádio educativa 104, 5 UFMG (que em parceria com o IMEL ganhou o Prêmio Roquette Pinto de rádio 2010, pela Arpub, com o apoio da Petrobras e Ministério da Cultura), do projeto de ecoperformances de poesia biosonora que Wilmar Silva tem apresentado no Brasil e América Latina, Europa e África.

LANÇAMENTO/INSTALAÇÃO

“Arranjos de Pássaros e Flores”, de Wilmar Silva

Café Book
Rua Padre Rolim, 616
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
Contatos: 55 + 31 3224 5748
wilmarsilva@wilmarsilva.com.br


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…