Feira de Artesanato mostra a arte do Vale do Jequitinhonha


De hoje (02) a sábado, 7 de maio, será realizada no Campus Pampulha da UFMG, a 12ª Feira de Artesanato do Vale do Jequitinhonha na UFMG. Promovido pela Pró-Reitoria de Extensão (Proex), pelo Programa Polo de Integração da UFMG no Vale do Jequitinhonha e pela Diretoria de Ação Cultural (DAC), o evento reunirá na Praça de Serviços do Campus Pampulha, 42 associações de artesãos de 25 cidades do Vale. Nos estandes, os visitantes encontrarão uma grande diversidade de peças: cerâmicas, trançados de palha, panelas de barro, bordados, bonecas, colchas, etc.

Dentre as novidades, destaca-se a participação de duas etnias indígenas de Araçuaí: a Aranã e a Pataxó-Pankararu. “Essa participação é importante porque dará visibilidade ao trabalho artesanal realizado por eles. Além de reforçar a presença indígena no Campus”, afirma a coordenadora do Projeto Artesanato Cooperativo e organizadora da feira, Terezinha Furiati. Outra novidade é a organização de um espaço especial para artesãos reconhecidos do Vale. Entre os convidados, Ulisses Mendes, da cidade de Itinga, a família de Dona Isabel, de Santana do Araçuaí e Lira Marques, de Araçuaí.

A feira contará ainda com uma programação artística diversificada. Na segunda feira, apresentação do Coral Água Branca de Itinga; na terça, Volber e Gilmar. Na quarta é a vez do grupo Sarandeiros e na sexta, da Banda Terceira Margem, de Montes Claros. Excepcionalmente na quinta-feira, a programação artística será às 17h30, com homenagem às mestras de ofício Elzi Gonçalves Pereira (de Jequitinhonha) e Geralda Leite Sena (de Francisco Badaró) e show de João di Souza e Chico Lobo. Nos outros dias, as apresentações acontecem às 12h30, com entrada franca.

Mestra Elzi Gonçalves Pereira (Zizi)

Nascida em 20 de março de 1943, dona Zizi é a última paneleira de Guaranilândia, distrito de Jequitinhonha. A produção das panelas, potes, moringas, gamelas começou ainda criança e é feita com ferramentas simples: um pilão, um pedaço de couro, algumas pedras e uma faquinha. Uma confecção completamente artesanal, que exige dedicação, observação e muita habilidade. Nestes vários anos, a mestra já teve vários aprendizes. Hoje, com o advento das panelas de alumínio, as panelas de barro perderam seu espaço. No entanto, a mestra não desanima e continua ensinando o ofício, agora para os netos.

Mestra Geralda Leite Sena

Nascida em 1927, em Francisco Badaró, dona Geralda iniciou-se no ofício ainda menina, por influência da mãe fiandeira. Dedicou toda a sua vida ao algodão, sem nunca ter desviado do ofício ou desistido de fiar e tecer. Seu saber foi repassado e compartilhado com seus filhos, amigos e vizinhos. Hoje, quase aos 84 anos, ela ainda fia. Pouco, pois a saúde a impede de trabalhar como antes. Mas a comunidade é unânime em dizer que “fios iguais os de Dona Geralda não tem, são fios muito finos”, próprios para roupas. Tecidos a partir de uma técnica desenvolvida e aperfeiçoada durante toda a vida, com muita paciência e mãos firmes.

Sobre a Feira

Desde 2000, a Universidade Federal de Minas Gerais tem dado espaço para que dezenas de artesãos do Vale comercializem suas peças na capital e divulguem a cultura da região, por meio da Feira de Artesanato do Vale do Jequitinhonha.Ao longo dos anos, a feira passou por inúmeras transformações e desde 2009, é organizada pelo projeto Artesanato Cooperativo, que integra o Programa Polo. Além da organização do evento, o projeto é voltado para o incentivo da produção artesanal do Vale e para o fortalecimento do associativismo na região. O sucesso da feira é tanto, que só no ano passado, o lucro para os artesãos ultrapassou 100 mil reais.


Fotos: Dona Zizi por Breno Antunes
Dona Geralda por Terezinha Furiati

Informações enviadas por: Fabíola Souza, Suporte de Comunicação do Programa Polo de Integração da UFMG no Vale do Jequitinhonha - Sala 6005 – Prédio da Reitoria – Campus Pampulha
Av. Antônio Carlos, 6627 – Pampulha - Belo Horizonte / Minas Gerais
(31)3409-4067 / 4043
www.ufmg.br/polojequitinhonha

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina