Pular para o conteúdo principal

Urbanização e droga facilitam exploração sexual de crianças

Por Sarah Fernandes, do Aprendiz

Foi nas proximidades da Cidade Baixa de Salvador (BA) que a jovem M. E. foi resgatada pela polícia baiana e encaminhada a um abrigo público. Com apenas 14 anos, ela foi induzida à exploração sexual pelos pais. O dinheiro obtido era utilizado para comprar crack, no qual os três eram viciados.

No carnaval seguinte ao caso, a polícia flagrou outra menina da mesma idade praticando atos sexuais com um homem adulto. Ela declarou que era explorada desde os 11 anos, também para comprar crack. Os casos ficaram na memória da delegada Ana Cricia, da Delegacia de Repressão a Crimes contra a Criança e o Adolescente de Salvador, que declara que histórias de exploração sexual envolvendo drogas não são incomuns.

As observações de Ana apontam uma tendência: a soma dos fatores drogas e periferias urbanas tem grande potencial para resultar em exploração sexual pessoas com menos de 18 anos. A avaliação vem do Mapeamento dos Pontos de Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Federais Brasileiras, divulgado na última quarta-feira (6/10) pela Polícia Rodoviária Federal.

A pesquisa levantou 1.820 pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias federais. Eles apresentam prostituição adulta, tráfico ou consumo de drogas, presença constante de crianças e adolescentes e ocorrências de exploração de pessoas com menos de 18 anos nos últimos dois anos. Os pontos foram divididos nas categorias Crítico, Alto, Médio e Baixo, de acordo com o grau de vulnerabilidade.

Ao todo, 37% dos 924 pontos considerados críticos apresentaram tráfico ou consumo de drogas, segundo o mapeamento.

“A exploração sexual de crianças acontece em redes que muitas vezes estão ligadas ao tráfico de drogas”, conta Jacir Pinheiro, coordenador do programa de denúncias Disque 100, que apoiou o mapeamento. “As meninas acabam usando drogas pela proximidade com a contravenção e como uma válvula de escape. Outras já usavam e se prostituem para manter o vício”.

Entre os pontos vulneráveis, 67,5% se concentram em áreas urbanas, próximas às rodovias. “Isso porque as cidades têm mais pessoas, mais riquezas e maior trânsito de passageiros”, explica Pinheiro. “São regiões das cidades que não tem estrutura para atendimento à criança, como conselhos tutelares”, completa.

O perfil do jovem explorado é padrão: são meninas, adolescentes, pobres, negras ou pardas, com histórico de violência doméstica, segundo o coordenador do Disque 100. “Elas estão em desenvolvimento físico e psicológico. Quando adultas podem ter problemas para confiar em pessoas e dificuldades com sua sexualidade, além de doenças, gravidez precoce e uso de drogas”, observa.

Nordeste

A Região Nordeste concentra o maior número de pontos de vulnerabilidade: 545, mais que as regiões Centro-Oeste e Norte juntas (505). “A pesquisa foi feita em rodovias federais e o Nordeste possui grande parte das vias”, observa Rosana Junqueira, coordenadora de projetos da fundação Childhood Brasil, que apoiou o mapeamento. “Os pontos são de vulnerabilidade, o que não significa que realmente ocorram casos”, ressalta.

A BR 116 é a rodovia com mais pontos de vulnerabilidade, com 262, seguida pela BR 101, com 187. São Paulo apresenta a maior concentração: um ponto a cada 11,6 quilômetros. Porém, a Bahia possui o maior número de pontos críticos: 117, ou 12,7% da malha viária federal do estado. Ao todo, é um ponto critico a cada 47,8 quilômetros de estrada.

Para a delegada Ana Cricia, da Delegacia de Crimes contra a Criança de Salvador, a atuação da polícia é difícil. “Os casos não acontecem no meio da rua. Muitas vezes os responsáveis não denunciam porque se valem da situação e as adolescentes não procuram a polícia porque não sabem que podem pedir ajuda ou porque tem vergonha”.

As vítimas de exploração sexual de Salvador são levadas ao Conselho Tutelar, que as encaminha para abrigos públicos. O munícipio possui um abrigo especializado no atendimento a vítimas de violência sexual, chamado Sam e Jô.

Mapeamento

A pesquisa começou em 2009, com um questionário entregue a caminhoneiros, que deveriam apontar dois locais em estradas federias onde se depararam com suspeitas de exploração sexual de crianças.

Com 200 indicações em mãos, a Polícia Rodoviária Federal elegeu os dez pontos com maior propensão a prostituição de menores e realizou visitas aos locais. Em todos foram encontrados casos de jovens explorados sexualmente.

Eles então observaram as características do local que poderiam facilitar a exploração — como tráfico de drogas e baixa iluminação — e criaram uma lista. Se determinado local apresentasse os fatores da lista era classificado como vulnerável. A partir daí passaram a percorrer as estradas levantando pontos com tais características.

A ideia é que, com os dados em mãos, a polícia realize ações direcionadas para combater o problema. “É preciso que o estado fortaleça as redes locais de proteção à criança e que a sociedade esteja mais atenda aos direitos da criança e do adolescente”, sugere Jacir Pinheiro, do Disque 100.

Para ler a pesquisa completa, acesse http://aprendiz.uol.com.br/resources/noticias/pesquisas/_1010/mapeamento_2009_2010_2.pdf

__._,_.___

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…