Pular para o conteúdo principal

Dilma Rousseff é a terceira mulher eleita presidente na América do Sul



Por Brenda Marques,
Presidente do Imersão Latina, com Foto de Ursula Bahia e depoimento de Aline Cântia.


Hoje é um dia histórico para o Brasil, pela primeira vez, uma mulher é eleita presidente no país. Na América do Sul, antes de Dilma chegaram à presidência via eleições diretas Michelle Bachelet, no Chile, em 2006 e Cristina Kirchner, na Argentina, em 2007.

Durante as eleições, nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) mantivemos a isenção quanto ao posicionamento político-partidário, para não entrar na campanha de nenhum candidato, mas agora, com o resultado das eleições, postamos comentário sobre a política que estava sendo adotado pelo Governo do PT, com Lula e que Dilma assume como continuidade.

Sabemos da importância da população de se envolver neste processo e da real necessidade de mobilização social para realmente construirmos um novo país, mas não podemos deixar de admitir os avanços do último governo nas áreas da cultura e do desenvolvimento social. Portanto, neste momento, estamos contentes por saber, que ao menos o diálogo com a população continuará e juntos poderemos contribuir para que a primeira mulher eleita presidente no Brasil, por voto direto, faça um bom governo. Cabe a cada um de nós brasileiros nos conscientizarmos e participarmos agindo diariamente, criticando, debatendo e apoiando no que for preciso.

Abaixo, postamos um depoimento de Aline Cântia, baseado nas vivências dela como contadora de histórias por este Brasil afora.

Bom, gente... desculpem, mas vou contar uma história... enquanto uma transeunte pelos sertões deste país, ouvindo e contando histórias...Quando fui a primeira vez há 10 anos, em uma comunidade quilombola onde moravam 5 mil pessoas... eles tinham uma escola caindo aos pedaços... e a professora bebia tanto que não ia. Eu então fiquei lá sete meses... tentando cumprir algum papel por aquela gente. Quantas crianças morreram de catapora nestes meses...

Desde então, volto lá ano a ano. Já são 32 escolas, todas de alvenaria, professores qualificados concursados, material didático específico para a cultura quilombola. Agentes de saúde, ambulância em cada uma dos 32 povoados que constituem a comunidade. Tudo começou com a Bolsa Família, é verdade. Medida emergencial. A partir daí, veio o Luz pra Todos, vieram as capacitações para formação de cooperativas, vieram as formações de gestão para que o doce de buriti, o licor de babaçu, a farinha de mandioca... se transformassem em renda.

O Juraci, agente de saúde, me disse ano passado que não precisa mais da bolsa família. Conseguiu terminar o segundo grau (com ônibus gratuito que o levava e buscava todos à noite) e entrou na faculdade de enfermagem pelo Pro-Uni. Quando eu o conheci, ele não sabia ler nem escrever. Trabalhava na drenagem de areia (agora proibido de entrar nos rios da comunidade), ganhando 02 reais por dia.

Enfim... pra mim, nestes últimos 8 anos... além da redução da pobreza, promoveu-se a inclusão de milhares de brasileiros, geração de renda e de emprego, cresceu a auto-estima do brasileiro. Como a construção é humana e, por isso mesmo, imperfeita, e como ela é erguida sobre um passado que nao se pode apagar antes de recomeçar, não é dificil perceber que muitos erros continuam sendo cometidos, alguns erros novos e outros antigos que ainda nao se conseguiu mudar. Mas, acima disso acredito que estão os ideais de gente do bem, que mata um leão por dia pra que as coisas avancem, pra que as pessoas mais humildes tenham acesso a tudo aquilo que lhes é negado em um economia controlada totalmente pelo mercado, como a nossa.

*Aline Cântia é conselheira do Imersão Latina. Jornalista, mestre em Literatura e contadora de histórias. Foi uma das contempladas com Prêmio Funarte de Circulação Literária este ano.
Foto: Dilma por Ursula Bahia, também integrante do IMEL tirada durante o Fórum Social Mundial em Belém, 2009.

Comentários

Aline Cantia disse…
Quando ouvi pela televisão: Dilma eleita presidente! E quando comecei a ouvir seu discurso... pela minha mente passaram varias imagens... de muita gente que conheci ao longo destes ultimos oito anos. E vi o sorriso deles: de quilombolas, ciganos, educadores rurais, agentes de saúde, universitários do Pro-UNI, mulheres quebradeiras de coco, moradores de fundo de pasto, sambistas, mestres griots, crianças e jovens de todo este país. Parabéns Brasil por escolher seguir mudando!!

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…