Casa da América Latina exibe filmes na Associação Brasileira de Imprensa



O Cine ABI, em parceria com o Cineclube da Casa da América Latina, apresentam nesta quinta-feira, 9 de setembro, a partir das 18h30 os filmes:

"Atenco: Romper o Cerco", do Indymedia (CMI) de Chiapas, 2006 - Documentário 47 min. Legendas em português.

“Papeleiras, Go Home”, de Carlos Pronzato, 2009
Documentário 40 min. Legendas em português.

Haverá debate após o filme, e serão concedidos certificados aos participantes. Os 25 primeiros que chegarem terão direito a pipoca e guaraná grátis, uma cortesia da : Sindipetro-RJ.

As exibições são na Assossociação Brasileira de Imprensa fica na rua Araújo Porto Alegre, 71 - 7° andar , Centro (próximo ao metrô Cinelândia). Rio de Janeiro/RJ - Brasil.

Sinopses:

"Atenco: Romper o Cerco"

Esse vídeo analisa os acontecimentos ocorridos em San Salvador Atenco durante os primeiros dias de Maio de 2006, e denuncia as violações dos Direitos Humanos da população civil por parte das forças policiais do Estado do México e federais. O documentário desmonta também o modo de operar dos meios de comunicação de massa, responsáveis por criar um ambiente de medo e de construir um cerco informativo em torno dos acontecimentos de San Salvador Atenco, no marco de uma situação especialmente delicada: o processo de sucessão presidencial no México em 2006.

“Papeleiras, Go Home”

O grupo finlandês Botnia instalou uma imensa fábrica de celulose no Uruguai a 4 km da cidade de Fray Bentos, em frente à cidade argentina de Gualeguaychú, para produzir mais de 1 milhão de toneladas que serão exportadas para Europa, China para os Estados Unidos. A fábrica retira a cada dia 86 milhões de litros de água do rio Uruguai, rio que divide os dois países, e cerca de 80% desse volume devolve ao rio, porém, com altas temperaturas e acrescido de uma carga de poluentes diversos que afetará a biologia do rio e o conjunto do ecossistema.
O grupo Botnia, que conta com 1 milhão de hectares de plantações, compra por menor preço e produz eucaliptos dez vezes mais rápido que na Finlândia. A empresa não paga impostos, tampouco tarifas aduaneiras e, o mais importante, dispõe gratuitamente da água do rio Uruguai. Este empreendimento se constitui no maior investimento do setor privado industrial da Finlândia no exterior e também no maior investimento de caráter industrial da história do Uruguai. Este documentário registra os testemunhos oferecidos no ano de 2008 pelos integrantes da Assembléia Cidadã Ambiental Gualeguaychú e outros segmentos populares. Inclui também o testemunho do Movimento Acción por los Cisnes (Valdívia, Chile).

Informações: casadaamericalatina.org.br
Imagem: justseeds.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina