Carnaval com Chico Buarque e Noel Rosa hoje à noite em espetáculo teatral do Grupo Cara de Palco



Para os amantes da música popular brasileira, o 3º Festival de Verão da UFNG traz dois grandes compositores da música brasileira no espetáculo Chico Rosa neste domingo às 19h30 no Conservatório da UFMG. A entrada é franca.

Imagine um encontro de Chico Buarque com Noel Rosa num botequim! ntre umas e outras, os dois cantam a melhor música popular brasileira. Esse encontro acontece nesse espetáculo, em um diálogo musical divertido, inusitado, simples e descontraído, como deve ser uma boa conversa entre amigos.A criação deste encontro imaginário é, ao mesmo tempo, a possibilidade de um encontro real com a música e a poesia brasileira.


Ficha técnica:
Atuação: Luiz Rocha e Daniel Maia
Texto e direção: Jair Raso
Assistente de Direção: Wilma Henriques
Produção Executiva: Reis
Direção Musical: Leri Faria, Luiz Rocha e Daniel Maia

Espeáculo Teatral Chico Rosa

Hoje às 19h30 no Conservatório UFMG
(Av. Afonso Pena, 1534 – Centro - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil).

Postamos abaixo letras dos dois compositores para o período carnavalesco.

Pierrô Apaixonado
(Noel Rosa-Heitor dos Prazeres - 1935)

Um pierrô apaixonado
Que vivia só cantando
Por causa de uma colombina
Acabou chorando, acabou chorando
A colombina entrou num butiquim
Bebeu, bebeu, saiu assim, assim
Dizendo: pierrô cacete
Vai tomar sorvete com o arlequim
Um grande amor tem sempre um triste fim
Com o pierrô aconteceu assim
Levando esse grande chute
Foi tomar vermute com amendoim.

Quem me vê sempre parado, distante garante que eu não sei sambar
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar
Eu tô só vendo, sabendo, sentindo, escutando e não posso falar
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar
Eu vejo as pernas de louça da moça que passa e não posso pegar
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar
Há quanto tempo desejo seu beijo molhado de maracujá
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar
E quem me ofende, humilhando, pisando, pensando que eu vou aturar
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar
E quem me vê apanhando da vida duvida que eu vá revidar
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar
Eu vejo a barra do dia surgindo, pedindo pra gente cantar
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar
Eu tenho tanta alegria, adiada, abafada, quem dera gritar.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina