Pular para o conteúdo principal

Aula de vida e cultura latino-americana em ritmo de tango argentino e poesia


O símbolo de gêmeos indica a inquietação, a curiosidade, a inconstância. Alberto Peyrano vive a versatilidade deste signo em sua vida de poeta, psicólogo, astrólogo e cantor. Por pouco não nos encontramos quando fui à capital argentina participar do Buenos Aires Poesia. Neste blog do Instituto Imersão Latina (IMEL), conheceremos um pouco de Peyrano na entrevista enviada pela poeta e psicóloga Clevane Pessoa, vice-presidente do Instituto Imersão Latina (IMEL) - uma rica aula de vida e cultura latino-americana .

Imersão Latina - Você é poeta e a música exerce uma grande influência em sua vida artística.Em que ponto Poesia e Música se entrelaçam?

Alberto Peyrano: Sou um cantor popular, ou seja: do povo. Amo a música de minha terra e sinto que do meu trabalho artístico tenho algo para dar aos demais. Como poeta, pude ou tive a sorte de encontrar músicos que identificaram sua criatividade com minha poesia e assim surgiram canções que amo muito. Penso que desde o momento que uma canção tem letra, naturalmente o músico esperou pelo poeta ou o poeta foi ao encontro do músico. Todo cantor tem como missão na vida transmitir a mensagem do poeta que escreveu a letra. Um cantor popular não deve deixar-se levar ou cantar só porque a música lhe agrada. Isto às vezes ocasiona desastres, pois o cantor pode cantar e interpretar muito bem, não desafinar, mas sua mensagem não conseguirá transmitir todo o sentimento do compositor, por não ser uma obra sua. E isto acontece com artistas que às vezes têm um sucesso temporário e logo caem no esquecimento, enquanto quem transmitiu verdadeiras mensagens humanas através de sua voz, quem fez sua cada palavra de uma letra, passou-a por seu coração, colocou seu sentimento e depois, cantando, a deu ao público, esse é um artista que para sempre será respeitado.

Imersão Latina: Fale de suas raízes: há artistas e poetas em sua família?

Alberto Peyrano: Na minha família não temos antecedentes artísticos. Por isso eu tenho sido sempre a "ovelha negra" dos Peyranos. Rssssssssssssssssssss

Imersão Latina:
O que representa o tango em sua vida, além de ser um gênero essencial aos argentinos?

Alberto Peyrano: Além de o tango ser "a voz de Buenos Aires" e de toda a área do Rio de la Plata, pois falando em tango devemos nos unir sempre com Montevidéu, esta música tem algo especial que a faz única. Primeiro, não é música folclórica, suas origens estão nos bordéis portenhos do século XIX, também seus compositores e letristas são conhecidos, isto os afasta da música folclórica, a qual geralmente tem raízes anônimas que se perdem na obscuridade dos tempos. Segundo, o tango cantou sempre ao homem e à mulher de sua cidade, por este último aspecto o poderíamos qualificar como "música social". E, terceiro, o tango nunca se afastou de sua paisagem cidadã, de suas origens (poderíamos compará-lo com o fado português, de Lisboa, pois tem uma estrutura genética parecida). Com estes três elementos juntos, contamos com uma expressão genuinamente cidadã focalizada nas duas ribeiras platinas. Quando em 1973 eu cheguei a esta cidade, tinha incorporada certa cultura tangueira provindo das vivencias familiares e de meu povoado natal onde meus conterrâneos gostavam muito de Tango. Ademais eu vinha de uma província onde, na minha região, juntam-se três correntes musicais. 1) a da vasta planície pampa úmida com zambas, milongas, gatos, cifras e estilos, essas lindas músicas tradicionais dos gauchos argentinos, 2) a litorânea, com chamamés, rasguido-dobles, valseados e polkas e, 3) a platina com tango. Assim, essas raízes batiam muito forte em meu coração. Mas, quando comecei a me dar conta do gigantesco compromisso que o Tango tinha adquirido com sua geografia e seu caudal humano, não passou muito tempo e acabei me casando com ele, pois encontrei uma perfeita ressonância em meu interior. Assim, o Tango representa para mim uma definição como ente humano, um ponto de partida que significou a mudança fundamental na minha vida, com 29 anos, e por outro lado é um perfeito canal para minha expressão interior e me permite dizer ao homem e à mulher platina suas verdades mais profundas.

Imersão Latina: Onde nasceu? Qual a sua ordem de nascimento? E o dia/mês?Tem irmãos? Pais vivos?

Alberto Peyrano: Nasci em Peyrano, na província de Santa Fé, uma área de cereais, de imigrantes italianos e espanhóis, onde a terra dá os melhores frutos do país. Meu vilarejo está distante 300 km de Buenos Aires, na área chamada de "Pampa Úmida". . Eu nasci em 14 de junho de 1945 e sou o filho mais velho. Depois seguiram meus irmãos Lucy e Raúl. Meus pais, lamentavelmente, já faleceram.

Imersão Latina: Em que época a identidade de Poetas ficou clara em sua vida?

Alberto Peyrano: Quando ainda era uma criança, escrevia poemas para minha mãezinha e para meus mascotes. Mas, me senti realmente um Romeu à idade do amor na adolescência. Meus sentimentos eram manifestados em poesias que eu escrevia para minhas namoradas. Mas, me defini conscientemente como poeta quando minha poesia começou a se unir com a música, a partir de 1978. Foi nesse tempo que eu deixei de ser o centro de mim mesmo e comecei a observar o que estava a acontecer na sociedade e em meus semelhantes, assim foram surgindo poemas de caráter mais universais e mais humanos.

Imersão Latina: Fale um pouco de "TANGO QUE FUISTE Y SERÁS". Como acontece?O que faz cada um dos artistas?

Alberto Peyrano: Há um poema de Jorge Luis Borges titulado "Alguien le dice al tango", no qual ele lhe fala ao tango e identifica seu ser mesmo com essa música. "Tango que fuiste y serás" é a última linha desse poema. Meus companheiros e eu decidimos nomear assim ao nosso show, pois os versos de Borges definem ao tango essencialmente unido com Poesia. A partir dessa base idealizamos e geramos o show que estamos representando há três anos com Ricardo Lister e Susana Corsini. Os três somos muito diferentes, mas temos um enorme compromisso com a voz de Buenos Aires. O repertório que temos desenvolvido toma uns 70 ou 80 anos de tango, da década dos 30 até hoje. Cada um de nós canta cinco tangos e sempre convidamos um cantor ou cantora diferente para compartilhar o show e que também canta cinco tangos. O show é composto com um acervo de 20 músicas, um poema, um tango de abertura executado pelos músicos e um tango de despedida cantado por todos, "Tango que fuiste y serás" passou a formar parte das nossas vidas e este ano o estamos oferecendo uma vez a cada mês no Teatro Colonial de Buenos Aires. A partir deste ano, o poema de Borges foi incluído no show e eu o declamo. O poema diz assim: "Tango que he visto bailar / contra un ocaso amarillo / por quienes eran capaces / de otro baile, el del cuchillo. / Tango de aquel Maldonado /con menos agua que barro, / tango silbado al pasar / desde el pescante del carro. / Despreocupado y zafado, / siempre mirabas de frente / tango que fuiste la dicha / de ser hombre y ser valiente! / Tango que fuiste feliz / como yo también lo he sido, / según me cuenta el recuerdo... /El recuerdo fue el olvido... / Desde ayer cuántas cosas / a los dos nos han pasado, / las partidas y el pesar / de amar y no ser amado... / Yo habré muerto y seguirás / orillando nuestra vida. / ¡Buenos Aires no te olvida, / tango que fuiste y serás!

Imersão Latina: O que mais gosta de fazer, naturalmente motivado?
Alberto Peyrano: A diversidade é minha lei, gosto de fazer muitas coisas e às vezes diferentes coisas ao mesmo tempo. Gosto de escrever e cantar, mas também gosto de estudar e pesquisar, me aprofundar em um tema (a Net tem me auxiliado nessa necessidade). Assim como muitos, adoro ouvir música, ler, assistir filmes, ir ao teatro, porém, uma das coisas que mais gosto é viajar e conhecer outros países. Conhecer uma cidade, uma região, um povo e seus costumes, indagar sobre sua cultura, isso significa uma aventura extraordinária para mim. E caminhar, caminhar muito, onde quer que eu esteja isso me faz muito feliz.

Imersão Latina: Você exerce outra profissão além das relacionadas ao radialismo, à poesia, à arte?
Alberto Peyrano: Eu sou psicanalista. Graduei-me na Universidade de Rosário em 1973. Depois, segui profissionalmente a teoria de Jung dentro da Psicologia e isso me levou a estudar Astrologia. Assim, ganhei os diplomas de Astrólogo e Professor de Astrologia em 1986. Em 1996 obtive o titulo de máster em Terapia Floral e em 1999 fui Mestre de Reiki.

Imersão Latina: Você conhece o Brasil e/ou brasileiros? Quais os pontos em comum entre os argentinos e os brasileiros? E as diferenças?
Alberto Peyrano: Não só conheço o Brasil e os brasileiros, mas também eu amo tudo o que se refere a esse maravilhoso coração verde-amarelo.

Imersão Latina: Que pensa da Internet, para poetas e artistas hoje? Você gosta de usar a rede?
Alberto Peyrano: Acho que a Net é um maravilhoso invento, a partir dai mudaram as comunicações em geral e significa um elemento de ajuda para estudantes e de pesquisa para profissionais, além de ser um meio de divulgação para as Artes em geral. Gosto muito de usar a rede e graças a ela surgiram profundas amizades, possibilidades de divulgação da minha obra e oportunidades de conhecer pessoas de muito talento como você, a quem agradeço de coração esta entrevista.


Leia também o site produzido por Alberto Peyrano: http://canteirodeversos/.


O artista argentino, faz aniversário junto com Ernesto Che Guevara, como publicamos o especial dos 80 anos de Che no sábado, guardamos esta entrevista pra ser apreciada neste domingo.

O poema abaixo Clevane Pessoa dedica ao amigo poeta argentino com votos de felicidades por mais um ano de vida.


Poema Para o Amigo des/CONHECIDO


(Para Alberto Peyrano, em seu aniversário)

Clevane Pessoa

Fractais quais pétalas sonoras,
coloridas, douras ou argênteas,
viajam em bytes
quando teu trabalho multifacetado
nos chega, por mares virtuais.


E sentimos teus olores e sons,
magia e sensualidade, saberes
culturas familiares, verbo
a dançar tango, sabenças
e lendas indígenas,
histórias na História
e captamos teu sorriso,
teu siso, tua glória despitada
na seda da simplicidade, da autenticidade.

Neste novo ano de viver, sejas sempre assim ,
múltiplo e único e experencies toda a felicidade do Mundo,
em teu mundo mágico e rico perenemente a C*R*E*S*C*E*R "


Esta entrevista foi realizada por Clevane Pessoa de Araújo Lopes
Vice-Presidente do IMEL (Instituto Imersão Latina),
Diretora regional do InBRasCi,em Belo Horizonte, MG, Brasil,
Representante do movimento Cultural aBrace- Ponte Montevidéu, Uruguai e Brasil,Países Latino- Americanos)em MG
Cônsul Z-C de Poetas del Mundo em belo Horizonte , MG
Membro de el Puente de La Amistad

Fonte: http://achamarteblogspotcom.blogspot.com


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…