“VISAGENS” - Mostra Internacional de Poesia Visual no XXI Congresso Brasileiro de Poesia e Encontro Latino-americano de casas de poetas

 XXI Congresso Brasileiro de Poesia, numa realização do Proyecto Cultural Sur, convida-lhe p/ a Exposição Internacional de Poesia Visual “Visagens”, c/ curadoria de Tchello d'Barros, a realizar-se na Fundação Casa das Artes, em Bento Gonçalves (RS) Brasil, de 30 de setembro a 18 de outubro de 2013. Trata-se de uma mostra em trânsito, que acontece em paralelo a XVIII Mostra Internacional de Poesia Visual, evento já tradicional do Congresso.

Criado em 1990 pelo jornalista, poeta e produtor cultural Ademir Bacca, o Congresso Brasileiro de Poesia foi realizado em suas primeiras edições em Nova Prata (RS) e a partir de 1996 em Bento Gonçalves (RS). Promovido pelo Proyecto Cultural Sur | Brasil, acontece anualmente, durante uma semana,  com o apoio de Empresas, Comércio e Prefeitura na Capital Brasileira do Vinho.
  

SERVIÇO
Quê: Exposição internacional de Poesia Visual “Visagens
Quando: 30 Set 2013 a Out 2013
Onde: Espaço Cultural da Fundação Casa das Artes
           Rua Herny Hugo Dreher, 127 - Bento Gonçalves (RS) Brasil
Quanto: Entrada Franca
Curadoria: Tchello d’Barros (SC)
Coord. Literatura do XXI CNdP: Artur Gomes (RJ)
Coordenação Geral do XXI CNdP: Ademir Bacca (RS)


TEXTO CURATORIAL


Visagens e vislumbres: atitudes políticas X ações estéticas
                                                                                       por Tchello d’Barros*

Muito mais que uma modalidade de expressão híbrida, de aproximação, justaposição ou aglutinação entre a Literatura e as Artes Visuais, a chamada Poesia Visual tem expandido tanto seu arco temático quanto a diversidade de suportes, flertando cada vez mais com as novas tecnologias e a diversidade de linguagens contemporâneas, como Instalação, Videoarte, Infogravura, Animação, Web Art, Performance, Site Specific, entre outras. Ainda assim, como recorte curatorial para esta mostra, optou-se por um diálogo com a tradição da poesia visual, dialogando com seus autores inaugurais, em trabalhos mais gráficos, como desenho, colagem, fotografia e assemblage.
O aparentemente rarefeito universo da Poesia Visual, de origens diversas e indefinidas, continua dilatando seus contornos, ao absorver novos meios e principalmente novas mensagens, ou mesmo abordagens inovadoras para temas recorrentes, como a Paz, assunto central desta exposição intitulada Visagens, termo utilizado na fala popular dos interiores do Brasil para designar aparições sobrenaturais e alguns assombros de ocasião. Numa sociedade globalizada que paga o ônus pelos diversos conflitos bélicos e desequilíbrios socioeconômicos que ainda assombram a harmonia entre os povos, para muitos a Paz ainda é uma utopia distante e uma aparição desejada, porém ainda intangível.
Sem a pretensão de eventuais engajamentos panfletários ou de questionar a função social da arte (e portanto, da poesia), os poetas visuais integrantes desta mostra fazem, mediados por suas criações, seu comentário sobre esse debate sempre tão atual e necessário, ora por um viés mais estético, ora por uma via mais política. São instigantes leituras de mundo sobre uma possível Paz como elemento agregador na contemporaneidade, sendo a própria poesia, por sua dimensão social, agente de participação sociopolítica numa comunidade internacional cada vez mais interativa e conectada.
A curadoria apresenta uma seleção de 25 poemas visuais produzidos no recorte temporal do início do século XXI aos dias atuais. Participam da mostra os poetas visuais Armando Macatrão (Portugal), Carla Faesler (México), Clemente Padin (Uruguay), Fernando Aguiar (Portugal), John Bennet (USA), Julien Blaine (França), Luc Fierens (Bélgica), Renaat Ramon (Bélgica), Tulio Restrepo (Colômbia) e W. Mark Sutherland (Canadá). A Espanha, como país homenageado por sua grande contribuição no desenvolvimento mundial dessa modalidade de expressão poética, comparece com um time de grandes nomes: Alfonso Ortuño, Antonio Gómez, Bonnie Bardowski, Daniel de Culla, Eva Pilarte, José Carlos Velazquez, Manuel Espinosa, Rodolfo Franco e Sabela Baña. A representação brasileira conta com as criações de Al-Chaer (GO), Almandrade (BA), Constança Lucas (SP), Joaquim Branco (DF), Ricardo Alfaya (RJ) e Tchello d’Barros (SC/RJ).
O poeta visual catalão Joan Brossa (1919-1998), um dos principais precursores do gênero, dizia que “a poesia visual não é desenho nem pintura, mas um serviço à comunicação”. Nesse sentido, Visagens compartilha mensagens de poetas visuais de hoje com um possível público que vê na temática da Paz um assunto sempre contemporâneo e cada vez mais urgente. 
 Rio de Janeiro (RJ), setembro 2013.

*Escritor, Artista Visual e Curador


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina