Pular para o conteúdo principal

Três passos para revolucionar as bibliotecas públicas digitais


Por Eber Freitas
Revolução e-book 

A realidade dos livros digitais ainda não foi bem absorvida pelas bibliotecas no Brasil. Na verdade por aqui não se imagina a biblioteca como um negócio, o que tolhe por completo a possibilidade de inovação e adoção de novas tecnologias – algo repudiado pelos bibliotecários da velha escola. O máximo que se vê são iniciativas que patinam entre o voluntariado, intervenção estatal e pirataria. E todos esses modelos se baseiam na distribuição de títulos para download (geralmente em formato .pdf) sem se amparar, repita-se, em um modelo de negócios.

Infelizmente a cultura contemplativa em relação aos livros e às bibliotecas – que normalmente são fruto de iniciativas públicas ou filantrópicas – não parece ser o suficiente para despertar o interesse de boa parte dos brasileiros pela leitura. Nesse sentido, a experiência de uma biblioteca digital municipal de um município do Colorado (EUA) pode servir como padrão para o que podemos almejar por aqui. De acordo com uma reportagem do Teleread, o sistema de bibliotecas de Douglas County adotou novos padrões em relação à distribuição digital de conteúdo: encerrou contratos com as distribuidoras, montou um pequeno data center próprio para hospedar os livros, passou a adquirir os títulos diretamente com as editoras sob condições contratuais específicas, implementou sistemas de busca eficientes e deu um jeito de oferecer aos usuários a visualização de livros como se eles estivessem na estante. Lembrando que a realidade por lá é bem diferente da nossa.

Para aspirar um modelo semelhante, as bibliotecas públicas brasileiras teriam que se reinventar em pelo menos três aspectos:

1. Tratar a biblioteca como uma empresa 

Partidários da cultura livre podem protestar, mas, queira ou não, é o que uma unidade de informação deve ser. Independente da sua finalidade – seja gerar lucro ou não – ela deve ser administrada, com um levantamento dos seus ativos e passivos, custos de manutenção e espaço ocupado pelos livros, rotatividade dos títulos, políticas de renovação do acervo, captação de recursos, dentre outras medidas. Se apenas 7% dos brasileiros são usuários frequentes de bibliotecas (CBL/SNEL), pode-se inferir que a rotatividade é baixa, o volume de livros mofando nas estantes é grande e o custo para manutenção dessa unidade se torna alto – eventualmente é um fardo para a sociedade manter. Logo, antes de migrar para o meio digital, é preciso que nossas bibliotecas sejam repensadas e tratadas como um negócio. Caso contrário, estaremos fatalmente destinados a conviver com os velhos PDFs. As unidades não terão como negociar valores justos com as editoras nem oferecer os títulos de maneira competente aos usuários – sério, a CDU e a CDD vão ter que dar lugar aos algoritmos.

 2. Usar e abusar das ferramentas da Web

Quando um leitor visita a home page de uma biblioteca, não tem que necessariamente saber o que digitar nos campos de buscas. Muitas vezes ele quer apenas passear entre as estantes, assim como faria em uma biblioteca física. Uma medida bem interessante seria criar uma classificação de conteúdo baseada nos interesses previamente estabelecidos pelo próprio usuário (algo parecido com o que a Netflix ou o Google já fazem há anos). Funcionalidade e interatividade também deveriam fazer parte, principalmente quando se trata de bibliotecas públicas. Por aqui são poucas as que disponibilizam a seção “fale com um bibliotecário” – um contrassenso, afinal o atendimento ao público é uma das atividades-fins desse profissional. Um chat online cairia bem. E, finalmente, o HTML5 e o EPUB estão aí para serem utilizados. As duas linguagens são padrões para qualquer dispositivo, portanto universais e com mínimos problemas de compatibilidade.

 3. Conquistar novos leitores

Eis a questão. Eles são, afinal, a razão da existência das bibliotecas, sobretudo públicas. Mais do que nunca os profissionais ligados à pedagogia e leitura devem se engajar para formar novos leitores capazes de utilizar gadgets para ter acesso ao conhecimento e à informação. Caso contrário, não importa o esforço das editoras e livrarias virtuais em inovar, a quantidade de usuários sempre vai ser baixa.

Fonte do artigo:  Revolução e-book
 Publicado em: www.aletria.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…