PSIU POÉTICO 30 anos - História do maior encontro ininterrupto de poesia no Brasil começou na década que restaurou a democracia no Brasil


Poetas mineiros, participantes do Psiu Poético,
 na Casa das Rosas, em São Paulo - março 2016


Por Aroldo Pereira

          A 2ª metade do século XX no Brasil foi foda!  Houve momentos de total  dificuldade & temor, assim como fendas para a inquietação, invenção & luzes, fazendo contraponto com o inferno.
Foram anos de efervescência, loucura, tristeza pesada & criatividade intensa.
Foi nessa época que João Gilberto & cia apresentaram ao mundo a Bossa Nova; Juscelino Kubitschek pensou & ergueu Brasília; os irmãos Campos, Décio Pignatari & Ferreira Gullar tocaram o Concretismo; Torquato Neto, José Carlos Capinan, Rogério Duprat, Nara Leão, Gal Costa,Tom Zé, Caetano Veloso & Gilberto Gil presentearam a todos com o Tropicalismo; Márcio Borges, Fernando Brant, Murilo Antunes, Beto Guedes, Lô Borges & Milton Nascimento deram ao mundo o Clube da Esquina.  Os políticos de direita, os conservadores, cidadãos indecisos & os militares impuseram ao país  por varias gerações a covarde ditadura militar; Glauber Rocha, José Pedro de Andrade, Nelson Pereira dos Santos fluíram com o Cinema Novo, José Celso Martinez Corrêa, Augusto Boal & Flávio Rangel contribuíram com o teatro buscando liberdade liberdade. Contra os verdes negros anos ditatoriais surgiram diversas & geniais publicações alternativas: Pasquim, Binômio, Mulherio, Opinião, Novos Tempos, Lampião da Esquina, Luta & Prazer, Brasil Mulher, Movimento, Coojornal, O Repórter, entre tantos & instigantes outros.
Na mesma leva foram publicadas as revistas Realidade, Flor do Mal, Bondinho, Káthedra, Nave Louca, Música do Planeta Terra, Espaço de Prática Poética, Bric-a-Brac & muitas, muitas, muitas outras publicações libres. E foram elas que fizeram a minha cabeça de menino inquieto, inventor & buscador do impossível.
            As mulheres poetas & os poetas homens, que contribuem com a antologia Trinta Anos Luz Poetas celebram 30 anos de Psiu Poético nasceram, cresceram, vivendo no decorrer & na morte lenta da famigerada ditadura. E seus versos não necessariamente precisam dizer sobre isso.
Nós, jovens, poetas, pensadores, artistas  catrumanos do norte de Minas Gerais, moradores de Montes Claros, cidade que deu ao Brasil Cyro dos Anjos, Darcy Ribeiro, João Luiz Lafetá & incontáveis  pensadores/criadores da arte literária ainda desconhecidos do  imaginado público leitor, sentíamos muito vazio & uma tristeza sem fundo no início da década de 80. Com esse sentimento resolvemos criar o Grupo de Literatura & Teatro Transa Poética, para preencher 01 pouco aquele oceano  de angústia  & criar alguns acontecimentos poéticos, políticos, culturais, sexistas, existenciais, gozosos, amorosos, para as pessoas da nossa geração & para as outras que tinham abertura & discernimento para  compartilhar de momentos tão impares. Com o Transa Poética ocupamos várias cenas culturais pelo Brasil adentro, com apresentações em bares, escolas, carrocerias de caminhão, teatro, praias, metrôs, galerias, piscinas, praças, ruas, estações, coletivos urbanos... nunca nos negamos a ocupar espaço.
Fizemos muitas revoluções. O artista plástico Raimundo Colares & o pensador  Jorge Mautner sempre foram nossos parceiros nesse propósito & em diversos outros. Nosso trabalho com o Grupo Transa Poética inquietava muita gente, mas mesmo assim sentíamos necessidade  de criarmos +  & + .
Estávamos viajando com o espetáculo “Feras Deveras: o olhar feminino da poesia”, com trilha sonora do Jorge Mautner & fomos nos apresentar na Universidade de Brasília (UnB), dentro da programação do Festival Latino- Americano de Arte &  Cultura (FLAAC), & foi estupendo. Participamos de uma oficina de poesia com Thiago de Mello & Ernesto Cardenal, & da Oficina de Musica & Invenção com o bruxo Hermeto Pascoal. Saímos de lá cheios de energia & disposição para continuar a “criar & parir com dores”.
Foi assim que resolvemos criar o Salão Nacional de Poesia Psiu Poético, que agora celebra 03 décadas de pau dentro, ininterruptamente. Em vários momentos quase desistíamos de continuar com essa revolução anual. Mas como fazer isso, se em certos momentos da história contemporânea de Montes Claros o  acontecimento Psiu poético foi o único espaço (& de quando em quando ainda é) onde se poderia respirar com liberdade & criar outras possibilidades de interação?  Tanto que até hoje a gente inclui na programação este toque mágico: “surgirão novas programações durante o Psiu Poético conforme a vontade dos participantes”.
            E não podemos esquecer que o nosso Psiu surgiu na década de 80 do século passado. Fazemos parte da juventude que desabrochou lutando pela abertura política em nosso país. Fizemos parte das pessoas que foram às ruas pelas “Diretas Já”. E continuamos a lutar por 01 país que mantenha sua democracia plena em todos os campos da ação. Foi exatamente nas ruas que conseguimos dar fim ao regime de exceção que atrasou & aleijou a nossa nação por anos e anos e anos  de atrocidades & desrespeito  às diferenças de pensamento  & aos direitos humanos.
Com a bandeira da liberdade hasteada pelas ruas do país foi reformulada & promulgada a Carta Magna, a constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Essa nossa  constituição cidadã foi promulgada no dia 05 de outubro quando o Salão Nacional de Poesia Psiu Poético estava no 2º dia de programação do seu 2º ano de vida. O Psiu sempre acontece entre 04 & 12 de outubro em Montes Claros.
         Na década de 80 duas das principais vertentes poéticas da cena brasileira saíram de circuito para entrarem plenamente na história: o mineiro Carlos Drummond de Andrade & o paranaense  Paulo Leminski.
Isso pode querer dizer muita coisa, mas também pode querer dizer coisa nenhuma.
Importante é saber que continuamos a desenvolver esse trabalho maluco & sedutor em todos os sentidos, que é o Salão Nacional de Poesia Psiu Poético: 01 acontecimento de revolução contínua com muita invenção & manha, mantendo a pira da palavra acesa, iluminando o edifício dessa tal arte chamada  poesia.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos