Pluralidade Feminina Brasileira 1


por Fernando Moura Peixoto
Associação Brasileira de Imprensa


“A beleza é o acordo entre o conteúdo e a forma.”
HENRIK IBSEN (1826 – 1906)

Segundo o humorista J. PRAIANO, “o melhor do Brasil é a mulher BRASILEIRA”. Certamente parafraseando Vinicius de Moraes (1913 – 1980), Praiano vai mais longe: “E as branquelas que me perdoem, mas NEGRITUDE É FUNDAMENTAL”.

Em um país de herança machista, e tentando agradar a gregos e praianos, mostro as brasileiras comuns, sem retoques e estereótipos, em seu dia a dia laborativo. Um minucioso e colorido olhar sobre a pluralidade feminina brasileira, PFB, em fotos obtidas, na maior parte, entre as funcionárias do comércio da zona sul do Rio de Janeiro, principalmente no bairro de Botafogo, entre 2012 e 2014.  A edição observou a ordem alfabética dos nomes das retratadas - de A a J - nesta primeira etapa do trabalho.

Reverenciando Mário de Andrade (1893 – 1945), uma nacionalíssima trilha sonora, com AQUARELA DO BRASIL (Ary Barroso, 1903 – 1964), BRASILEIRINHO (Waldir Azevedo, 1923 - 1980), TICO-TICO NO FUBÁ (José Gomes “Zequinha” de Abreu, 1880 - 1935), WAVE (Tom Jobim, 1927 - 1994) e SAMBA DE VERÃO (Marcos e Paulo Sérgio Valle).

A interpretação é do QUINTETO “BRASSIL”, grupo musical da Paraíba de grande competência: Nailson Simões, trompete; Anor Luciano, trompete; Cisneiro de Andrade, trompa; Radegundis Feitosa Nunes (1962 – 2010), trombone, e Valmir Vieira, tuba. Os arranjos são de José Ursicino da Silva.

“Tirando a mulher, o resto é paisagem.”
DANTE MILANO (1899 – 1991), ‘Poesia e Prosa’.

*Fernando Moura Peixoto (ABI 0952-C)

Leia a continuidade deste especial Pluralidade Feminina Brasileira aqui aos domingos deste mês de março.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina