Pular para o conteúdo principal

Pluralidade Feminina II




Por Fernando Moura Peixoto
Associação Brasileira de Imprensa

“Mulher bela é uma graça: / Espanta melancolias, / Consola mágoas de amor.”

LIVRO DOS CANTARES, Século VI a.C.

“Finalmente a mulher brasileira sem retoques, só a alma”, escreveu-me o maestro e compositor Ricardo Tacuchian. E também o radialista e produtor musical Lauro Gomes: “As figuras femininas realmente são brasileiríssimas”. Sim, é verdade. E, em grande maioria, as retratadas são nordestinas - principalmente do Ceará, Paraíba e Maranhão -, que nos atendem diariamente com atenção e carinho em bares, restaurantes, lanchonetes, padarias, lojas e supermercados.

O sonho dessas moças, por mais incrível que pareça, não é um curso universitário, mas conseguir empregar-se em consultório ou clínica médica, para trabalhar meio expediente, somente de segunda a sexta, folgando nos fins de semana, saindo das condições estafantes e, às vezes, desumanas, a que são submetidas no dia a dia, dobrando horas de serviço ou cobrindo ausência de colegas. Sem falar no assédio que comumente sofrem no ambiente em que laboram.

Na segunda parte da PFB, pluralidade feminina brasileira, um agradecimento especial às funcionárias dos supermercados Extra e Pão de Açúcar da Rua Voluntários da Pátria, em Botafogo - zona sul do Rio de Janeiro - que acederam em posar para a lente do fotógrafo. Cliques efetuados entre 2012 e 2014. A edição novamente seguiu a ordem alfabética dos nomes das modelos – aqui, de J a Y.

Embalando a alma feminina de todos os rincões da nação, OCEANO (Djavan) e CARINHOSO (Pixinguinha, 1897 – 1973, e João de Barro, “Braguinha”, 1907 – 2006). A interpretação é de THADEU VENTURA, sax-soprano; ESDRA FERREIRA, bateria; MILTON RAMOS, baixo; CLÓVIS AGUIAR, piano e teclados; WEBER LOPES, violão; SÉRGIO SILVA, percussão e voz; DADO PRATES, flauta, e FIRMINO CAVAZZA, violoncelo.

“Há sempre uma mulher na origem de todas as coisas.”

ALPHONSE DE LAMARTINE (1790 – 1869)




*Fernando Moura Peixoto (ABI 0952-C)

Leia a continuidade deste especial Pluralidade Feminina Brasileira aqui aos domingos deste mês de março. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…