Pular para o conteúdo principal

Especial América Latina em movimento II: o campo em disputa

Por Roberta Traspadini*
Rádio Agência NP

A questão agrária na América Latina é uma das tônicas principais da luta de classes no continente desde a descoberta. Se, até as guerras da independência, a conquista e a colônia significaram um processo aberto de aniquilar a propriedade e o poder comunal inerente à relação dos povos originários com a terra, das guerras de independência em diante o panorama não mudou muito. A disputa continua. A sede por recursos e sujeição dos povos, entendidos ambos como recursos potenciais para o grande capital monopólico internacional, dão a tônica histórica do poder atual.

Nossa América Latina é composta, em toda sua especificidade índia, negra, mestiça, por quase 590 milhões de pessoas, das quais 513 milhões vivem em áreas urbanas e 77 milhões em áreas rurais. Após a política neoliberal instituída desde fim dos anos 80, em que os recursos e a política foram entregues, a baixo custo, ao grande capital transnacional, continuamos com uma vulnerabilidade externa que reforça os vínculos históricos de dependência inerente ao desenvolvimento desigual. Segundo o anuário estatístico 2011-2012 da CEPAL, o PIB latino-americano em 2011 foi da ordem de US$ 5,6 trilhões, enquanto a dívida externa do continente chegou à cifra de US$ 950 bilhões e os investimentos diretos estrangeiros ao montante de US$ 70 bilhões, em 2010.

Somente o Brasil recebeu quase US$ 37 bilhões em investimento direto estrangeiro. Entre os 10 principais produtos exportados encontram-se: petróleo e derivados, aço e derivados, cobre e derivados, soja, entre outros. A reprimarização da economia latino-americana reforça a continuidade tanto da sanguinária luta pelos territórios e pelo sentido do trabalho na América Latina, quanto o teor da luta no campo no continente. O Brasil tem 64% de sua pauta de exportação conformada por produtos primários, o Chile quase 90% e a Argentina 68%.

O México com apenas 25% de produtos primários na pauta de exportação, merece destaque. Este país deve ser analisado a partir do processo das maquiladoras, linhas de montagens com abertura comercial com o mercado do norte – NAFTA –, em que as mulheres representam mais de 60% da mão-de-obra precarizada. Em conjunto com o avanço do monocultivo transnacional no campo latino e a transferência de recursos para as principais sedes dos donos do capital em nosso território, opera-se uma política econômica e social em conluio com os agentes locais, de piora das condições de vida no campo. Enquanto nas cidades as pessoas em situação de pobreza representam 26% do total, no campo esse valor chega a 52,6% de pessoas, segundo a CEPAL.

Numa situação ainda mais perversa, estão as pessoas que vivem no nível da indigência em nossa América: 13% nas cidades e 30% no campo. Quanto ao saneamento básico a situação é ainda mais clara: no quesito água tratada, no urbano 91% dos lares têm acesso, e no rural, somente 21%. Pior ainda é a situação, quando o tema é a rede de tratamento de esgoto: 60% das casas urbanas com acesso e somente 6% das casas rurais. No quesito eletricidade, aparece uma equivalência entre cidade-campo, 98% dos lares urbanos e 93% dos lares rurais. Se incluirmos nisto o acesso à saúde e aos três graus da educação formal, com qualidade, o que já é ruim para as cidades, transforma-se em ainda mais catastrófico para o campo. O fato real é que após décadas de expressivas reflexões de nossos clássicos sobre a formação histórica da América Latina, nos deparamos ainda hoje com uma situação que exige renovar as perguntas que, ancoradas na memória histórica do continente, nos permitam tanto analisar o que temos, quanto pautar, com soberania, o que queremos. É incrível e belo, como sobrevivemos, após mais de 500 anos de tentativa de homicídio de nossa identidade e soberania.

Nós, o povo latino, com nossas específicas formas de luta, seguimos vivos, ante as reforçadas máquinas de morte instituídas pelo capital contra o trabalho ao longo deste processo histórico. É a aposta em outro sentido latino-americano e caribenho de integraçãoo que continua em disputa no nosso continente. Nossa ação reflexiva necessita ser dirigida para que Abya Yalarompa com a dinâmica histórica da sangria que instituída na conquista, foi reforçada na colônia, reconfigurada na república e abertamente declarada na era neoliberal. Uma integração dos povos, que abra caminho para outro sentido do uso da terra e do trabalho, e para a produção do novo no continente. Que venham e se fortaleçam Unasul e Alba no continente!! 

*Roberta Traspadini é economista, educadora popular e integrante da Consulta Popular/ES

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…