100 anos de Levi-Strauss: o olhar sobre os povos originários jamais será o mesmo

Nesta terça-feira foi anunciada a morte de um dos maiores pensadores do século XX, Claude Lévi-Strauss. O etnólogo francês, de origem judaica, nasceu em Bruxelas em 1908 e morreu no último sábado, 31 de outubro.

Lévi-Strauss foi um dos promotores do estruturalismo, tanto no plano da metodologia etnológica quanto no da análise dos mitos. Lecionou na Universidade de São Paulo (1935-1939). Escreveu As Estruturas Elementares do Parentesco (1949); Tristes Trópicos (1955); O Pensamento Selvagem (1962); O Crú e o Cozido (1964); Do Mel às Cinzas (1967).

Publicaremos ao longo deste mês neste blog alguns pensamentos de Levi-Strauss sobre as culturas ameríndias.

Os pesquisadores que tenham como referência esse autor, podem enviar seus artigos para publicação neste espaço para: brendajornalista@gmail.com

A lição de sabedoria das vacas loucas

Por Claude Lévi-Strauss

Para os ameríndios e para a maior parte dos povos que por longo tempo permaneceram sem escrita, o tempo dos mitos foi aquele em que homens e animais não eram realmente distintos uns dos outros e podiam se comunicar entre si. Tomar como início dos tempos históricos a Torre de Babel, quando os homens perderam o uso de uma língua comum e deixaram de se compreender, pareceria àqueles povos uma visão singularmente estreita. Do seu ponto de vista, o fim da harmonia primitiva se produziu num âmbito muito mais vasto: atingiu não apenas os humanos, mas todos os viventes.(...)

Há alguns anos, por ocasião da epidemia da vaca louca, que ainda não era o que viria a se tornar, explanei aos leitores do La Repubblica ("Siamo tutti canibali", 10-11/10/1993) que as patologias afins de que vez por outra o homem é vítima — o kuru, distúrbio neurológico causado por ingestão de cérebros dos mortos em rituais na Nova Guiné, e a doença de Creutzfeldt-Jacob, resultante da administração de extratos de cérebro humano para curar distúrbios do crescimento – estão ligadas a práticas decorrentes do canibalismo, de modo que é preciso alargar a noção para poder incluir todas essas doenças. E eis que agora nos informam que a doença da mesma família que afeta as vacas em vários países europeus (e que oferece risco mortal ao consumidor) é transmitida pelos farelos de origem bovina com que se alimentam os animais. Ela resultou, portanto, da ação humana de transformar estes em canibais, sob um modelo que de resto não é sem precedente na história.

Segundo textos da época, durante as guerras religiosas que ensanguentaram a França no século XVI os parisienses esfaimados se viram constrangidos a se alimentar de pão à base de farinha de ossos humanos, retirados das catacumbas e moídos.

Artigo publicado em Com Ciência - SBPC/Jornalislmo científico -
Dossier sobre Levi Strauss (Maio 2009)

Leia mais sobre a vida de Claude Levi-Strauss:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Claude_L%C3%A9vi-Strauss
http://noticias.uol.com.br/ultnot/internacional/2009/11/03/ult1859u1791.jhtm
http://www.jornaldigital.com/noticias.php?noticia=20007

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina