Pular para o conteúdo principal

Índios da Raposa Serra do Sol vencem a primeira batalha


Por: Iram Alfaia

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Ayres Britto, relator da ação que solicitava o fim da demarcação de forma contínua da reserva indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, votou a favor dos povos indígenas. Com o pedido de vista feito pelo ministro Menezes Direito, o presidente do STF, Gilmar Mendes, disse que quer concluir o julgamento até o final deste semestre.

As 108 páginas do voto do relator consumiram mais de uma hora de leitura. Ayres Britto fez uma análise minuciosa de todas as contestações feitas nas ações que solicitavam a demarcação em ilhas, o que beneficiaria um grupo de seis arrozeiros que ocupa uma área na reserva onde vivem cerca de 19 mil índios em 1,7 milhão de hectares.

O relator afirmou que a demarcação contínua em nada compromete a integridade do estado, a soberania na faixa de fronteira e as presenças das Forças Armas e da Polícia Federal no local. Concluiu que o fato de o Estado não estar mais presente na região não é culpa dos índios. Enfatizou que é obrigação do poder público estar no local.

"O pedido de vista feito pelo ministro Menezes Direito é uma possibilidade regimental, feita pela dimensão do voto do relator. É perfeitamente compreensível e acreditamos que da sua análise, como ministro competente e estudioso, deverá ter elementos para acompanhar o voto do relator. É o que esperamos", disse Paulo Guimarães, um dos advogados que defendeu os povos indígenas no julgamento.

O advogado Francisco Resek, que representou o Governo de Roraima, disse que a União trata o Estado como seu quintal, como antigo território federal que era. "O Estado possui pouco mais de 10% do seu território, o aluno da escola primária quando vê Roraima no mapa pensa que aquilo é um Estado, não é", disse.

Com base na Constituição, o advogado-geral da União, José Antonio Toffoli disse que "a terra indígena é propriedade da União, ou seja, propriedade de todos nós". Segundo ele, é uma mentira a alegação de que a paralisação da produção de arroz naquele local traria problema para a economia do Estado. Falou que mesmo considerando os 10% de território, a área ainda seria maior que o Estado de Sergipe.

Disse que, como já foi demonstrado, os índios produzem "Eles têm a maior criação de gado do Estado, têm capacidade, de uma vez tomando posse daquelas áreas, produzir arroz tanto quanto os particulares", argumentou Toffoli.

Advogada-índia usa tribuna do STF

Considerado um momento histórico para o país, pela primeira vez uma advogada-índia sobe à tribuna do STF para fazer a defesa do seu povo. Bastante emocionada e nervosa, Joênia Batista de Carvalho, da etnia wapixana, disse que já retiraram deles o município de Normandia e a sede Uiramitã. "Pedaços e pedaços estão tirando e, amanhã, como ficará isso?".

Ela também é a primeira índia a forma-se em advocacia no Brasil. "Somos cerca de vinte formados no país inteiro, e apenas sete têm carteira da Ordem dos Advogados do Brasil", lembrou Joênia Batista que sempre legislou a favor dos povos indígenas. Atualmente ela é advogada do Conselho Indigenista de Roraima (CIR).

Foto: Índios da reserva Raposa/Serra do Sol fazem protesto em frente ao STF

*De Brasília para www.vermelho.org.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…