Clevane Pessoa homenageia o poeta Lindolf Bell no Projeto Terças Poéticas de hoje


Por Brenda Marques Pena

O projeto de leitura, vivência e memória de poesia Terças Poéticas - realização da Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais, parceria entre Suplemento Literário e Fundação Clóvis Salgado recebe hoje 14 de outubro de 2008, às 18h30, a poeta Clevane Pessoa de Araújo Lopes, em homenagem a Lindolf Bell.

A apresentação será nos jardins internos do Palácio das Artes (Avenida Afonso Pena 1.537, Centro, CEP: 30130-004 - Belo Horizonte - MG - Brasil - Tel: (31) 3236-7400,). Entrada franca.

Clevane falou por telefone que amigos do poeta estarão presentes para prestigiar o evento. Ela apresentará poemas de sua autoria e a homenagem ao poeta catarinense com participações de Brenda Mars, Cláudio Márcio Barbosa, Wilmar Silva (que é o curador do Terças Poéticas), Luciana Campos Diniz, Regina Mello, Neuza Ladeira (poeta e artista plástica, que expõe seus quadros no Cozinha de Minas até quinta-feira) e Marco Llobus.

"Quando um poeta morre os outros fazem silêncio."

Lindolf Bell


Abaixo, publico fragmentos da homenagem de Lindolf Bell ao poeta/amigo Manuel Bandeira, que morreu há 40 anos.

Manuel Bandeira do Brasil

Onde estiver, a estrela da tarde estará no horizonte da palavra,
atrás do teatro Carlos Gomesde meus pensamentos vãos,
e me lembrarei de ti, Manuel Bandeira da saudade.

Onde estiver, estarei na sacada do mundo esperando a tua bênção no vento noturno,
na tua galeria intemporal de poeta que fez versos como quem ama.
Onde estiver, sei que pairas entre o coração que sabe
e o ruído dos automóveis da rua quinze de novembro
e a chuva de minha cidade temporal, que visitas sem que ninguém saiba
e abençoas sem resposta esperada.

Quando um poeta morre os outros morrem também.

Lindolf Bell nasceu em Timbó (SC) no dia 02 de novembro de 1938. Publicou seu primeiro livro de poesia, Os Póstumos e as Profecias, em 1962. Participou de diversos eventos: na Expressão de Novos Poetas, com poemas-murais, na biblioteca paulistana Mário de Andrade; do Movimento da Catequese Poética; foi autor do roteiro cinematográfico A Deriva para o filme experimental de Juan Seringo; declamou poemas no Show Contra, no Teatro Ruth Escobar, São Paulo SP. Em 1968, viajou para os Estados Unidos, onde integrou o grupo brasileiro no International Writing Program, na Universidade de Iowa. No seu retorno, passou a viver em Blumenau, onde foi professor de História da Arte na Fundação Universidade Regional. Participou na I Pré-Bienal de São Paulo, em 1970, com poemas-objetos. O autor faleceu no dia 10 de dezembro de 1998, na cidade de Blumenau (SC).

Conheça a Casa de Lindolf Bell - http://www.lindolfbell.com.br/


Na foto ao lado - Clevane Pessoa e Brenda Marques, poetas, militantes das artes, vice e presidente do IMEL - http://www.imersaolatina.com/.

Juntas publicaremos no próximo ano "Almas Desnudas" pela editora Abrace. Um livro bilingue que retratará a alma feminina que gere da terra-mãe - América Latina! Neo-naturalismo poético latino-americano.

Para saber mais sobre Clevane Pessoa, acesse:

http://www.clevanepessoa.net/
http://www.achamarte.blogspot.com/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina