Choramos por ti América!


Por Brenda Marques Pena*

Gritos de paz dispersos pelos ares há três anos se transformaram em reunião de vozes. Da América Latina despontaram em 2005 dois movimentos no Brasil e no Chile que buscam uma nova alternativa, um pela comunicação e outro pela poesia: Poetas del Mundo e Imersão Latina. Em suas diferentes atuações adeptos, colaboradores e integrantes foram se somando a estes projetos. Caminhamos paralelamente por uma infinita busca por um mundo melhor e em outubro completaremos três anos.

O membros do Imersão Latina e os Poetas del Mundo, apesar de comemorarem a caminhada, talvez não consigam festejar ainda, pois temos uma ferida não cicatrizada que continua exigir nossa energia na luta pela vida.

A guerra continua e enquanto os homens ao invés de cuidarem do seu próximo e do meio ambiente continuarem em sua ganância por dinheiro e poder, estaremos caminhando para uma primavera sem flores.

Esta semana recebi o comentário do jornalista Clóvis Rossi sobre o aumento da diferença entre ricos e pobres na América Latina. Não sei quanto a vocês, mas para mim é difícil dormir sabendo que há tantos filhos da latinoamerica sem um teto e que imploram por um pedaço de pão nas ruas, que entregam suas crianças para trabalhar, pois parece esta ser a única escolha.

Enquanto isso, alguns políticos corruptos, roubam destes o direito de um novo caminho e há aqueles que se preocupam em enriquecer a indústria bélica comprando armas de guerra. Esta visão que nos ofusca a esperança, faz arder os olhos com tanta fumaça tentando encobrir a história da força de nossos povos.

Nesta madrugada em que a dor encobre o meu peito, deixo uma pergunta que uma criança indígena fez ao chegar em Brasília, a capital do Brasil: Como é que tem gente que mora na rua, com tantas casas e prédios?

Sobram espaços nas moradias dos milionários e dinheiro para construir um teto para os que não têm e assim aumenta o abismo que os distancia. A falta de amor que gera a corrupção, talvez seja o nosso maior inimigo.

Abaixo dois poemas, um de minha autoria como Presidente do Instituto Imersão Latina (IMEL) e da Delasnieve Daspet, embaixadora do Brasil e Sub-secretária do Movimento Poetas del Mundo.

Poetas que quiseram aderir ao manifesto, acessem http://www.poetasdelmundo.com/ . E este espaço do blog e em breve a nova edição da revista eletrônica http://www.imersaolatina.com/ e outras publicações, exposições e atividades deste instituto estarão sempre abertos para a união daqueles que militam por um outra Terra.


Novas Flores solares
Brenda Mar(que)s Pena

Quem sabe na primavera
As folhas irão parar de cair?

Durante o outono e inverno
Errante a procura de flores
Encontro só o que o vento trouxe.

Quantas vezes senti-me num furacão
Sem que o meu corpo pudesse reagir?

Quem sabe todos esses galhos secos
A fincar os olhos sem nenhum verde
Serviram para levar um tempo velho
A derreter-se diante da estação do Sol?

Como é difícil suportar a melancolia
Desses dias e noites sem a folia
Dos tempos dos ares de verão.

Doença pros olhos
É não ver a cor nas flores
Que ainda procuro.


Cada Lágrima Que Guardo...
Delasnieve Daspet

Somos tão absurdamente frágeis...
Tão frágil que não entendo que
Somos apenas humanos.

Questiono-me, em alguns momentos,
De solidão recolhida,
Qual o propósito da vida?

Quanto tempo vamos durar?
Qual é a nossa missão?
Que existe, existe... não teria sentido
Estarmos por estar, apenas!

Olhar o pôr-do-sol, a gota da chuva,
O riso, vivendo, amando, odiando,
Magoando, chorando, sorrindo,estamos aqui,
É este o nosso destino?

Como preservar-nos?
Existe um dia definido para as coisas?
De que vale a vida que sorrimos ou
A morte que lamentamos ?

Canto-a hoje... Canto-a sempre...
Canto-a porque, eu e ela, nós,
Quando nascemos - chegamos juntos,
Anunciada ou escondida, cada dia,
Sinto-a tão presente, mansa e sorrateira,
Com sua ceifadeira!

Enfeito-me ó morte, vivo-a em vida...
Vivo em toda a essência,
Aproveitando o ideal que me abrasa
E que me faz parte de um Todo!

Meu destino, meu fim,
Tão igual ao de milhares...
Imperscrutável!
Não serei lavada nem com mirra ou incensos,
Não estarei coberta nem de ouro ou pedras,
Mas, na cova rasa, de terra...

No céu , a lua é quase nova,
Mercúrio e Vênus ingressam em Capricórnio,
Aqui na Terra - nenhuma alma de boa vontade
Pode explicar as mutações tão radicais que
Chegam...

Tornamos tudo mais difícil,
Mantemos tantos conflitos,
Promovemos guerras e preconceitos,
Ainda não percebemos que estamos
Num processo de mutação radical
E que estamos saindo de cena...

Em meu peito, cada lágrima que guardo,
É para chorar porque sou humana,
Demasiadamente humana....

Colabore comentando, enviando informações e difundindo este blog e esta mensagem para os seus contatos. Idéia que se sonha sozinho é ilusão, mas quando se sonha em conjunto é revolução.
e-mail: info@imersaolatina.com

*Presidente do Imersão Latina, Cônsul Z/L Poetas del Mundo e Representante da Abrace - Solidariedade entre escritores - uma editora em parceria Uruguai - Brasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!