Negra dor em versos


Em mil pedaços
(a minha negra dor)


Entre soluços e gritos de dor!
Entre lágrimas e o negro pranto...
Sou o Aedo por acidente nessa hora...
Pois não quero dizer coisa alguma!
Para quem quer que seja
Nem mesmo para mim


Tomo a lira das mãos etéreas de Apolo...
Por momentos breves!
Sou o Bardo para a minha divina musa
Só querendo dizer: Amo-te
Com toda a força do meu estro...
Imperfeito...
Que brota do meu negro coração


São os meus sintéticos poemas!
Fragmentados!
Espalhados...
Em mil pedaços...
Arte liquefeita!
Imerso no mundo mutável...
São peças soltas e descartáveis
 Que ninguém quer lê...
Mas feri a minha alma!
E faz sangrar o meu coração...  


Sou eu querendo ficar sozinho
Perdido nos meus pensamentos
Mais irracionais.


Sou eu que transito...
 Livremente no labirinto irreal
Que construí para mim
Ali posso te tomar pelos braços
E dizer que és minha
Para todo o sempre


Samuel da Costa
Associação Internacional de Poetas 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina