Para o Dia Mundial do Meio Ambiente um poema de Pedro Du Bois


DESENREDO

Chovo o tempo dedicado à seca.
Seco a hora enredada.
Falam em catástrofes:
finalizo o inexistente.
Na esterilidade do planeta
aposto verdes plantas
e azuis marítimos:
dói a água derramada
sobre o solo
castigado em vazios.
O relógio desperta o sono
não reparado pela espécie.

(Pedro Du Bois)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos