Fórum das Letras transforma Ouro Preto em cidade refúgio para escritores


Evento teve início nesta quarta, 4 de novembro, com homenagem a Graciliano Ramos e programação que exalta a diversidade cultural e a liberdade de expressão

Foi dada a largada para a 11ª edição do Fórum das Letras. O evento teve início nesta quarta-feira, 4 de novembro, no Cine Vila Rica, em uma cerimônia marcada pela notícia de que Ouro Preto será a primeira cidade refúgio da América do Sul. O primeiro autor a participar da residência de quatro meses será o etíope Girma Fantaye, que participará do programa de pós-graduação em História da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), promotora do evento e parceira da International Cities of Refuge Network (ICORN) na iniciativa.

Para Guiomar de Grammont, coordenadora geral do Fórum das Letras de Ouro Preto, a realização desta edição do evento representou uma grande vitória, principalmente em um contexto econômico pouco favorável. “Acredito que a literatura é a porta para a tolerância e para a paz e, reforçando este pensamento, Ouro Preto se transforma agora na primeira cidade refúgio da América Latina. É uma alegria, portanto, estar aqui, mesmo com todas as dificuldades e, por isso, agradecemos imensamente à equipe que batalhou para que o Fórum estivesse de pé, mantendo a mesma qualidade de sempre”, reforçou. A iniciativa também foi valorizada pela vice-reitora da UFOP, Célia Maria Fernandes Nunes.

A diretora do ICORN, Elisabeth Dyvik, também participou da abertura e lembrou que o trabalho dos escritores se dá a partir de condições humanas, motivo pelo qual é fundamental garantir a estas pessoas a liberdade de expressão. “Em todo o mundo, a liberdade de expressão está sob pressão, por isso é muito importante garantir que os autores possam escrever suas ideias e mostrar a todos aquilo que regimes totalitários não gostariam que soubéssemos”, afirmou.

Para o diretor do Livro, Literatura, Leitura e Biblioteca do Ministério da Cultura, Volnei Canônica, a 11ª edição do Fórum das Letras mostra a importância da iniciativa, que reverbera dentro e fora do Brasil. O secretário de Estado de Cultura, Angelo Oswaldo Araújo dos Santos, que lembrou o histórico de Ouro Preto, na luta pela liberdade, graças aos Inconfidentes, e a tradição literária da cidade, berço dos árcades.

Também estiveram presentes na abertura José Castilho, secretário executivo do Plano Nacional do Livro e da Leitura, Luís Antônio Torelli, presidente da Câmara Brasileira do Livro, Júlia Mitraud, presidente da Fundação de Artes de Ouro Preto, Tarcila Lucena, da Biblioteca Mário de Andrade, além de patrocinadores e apoiadores do Fórum das Letras.

A cerimônia foi seguida da mesa "Memória de Graciliano Ramos", com a participação de Ricardo Ramos e Elizabeth Ramos, netos do autor, além de Audálio Dantas e Wander Melo Miranda. Traçando elos e ressaltando pontos na obra do autor alagoano, foi discutida a forma de escrita e as peculiaridades presentes em seus romances e memórias, que continuam muito atuais. Memórias afetivas e lembranças familiares permearam toda a mesa, que apresentou também quem era o Graciliano Ramos como homem, pai e avô. Destacando “Vidas Secas” como sua obra mais reconhecida na literatura nacional, a realidade retratada no sertão nordestino fez de Graciliano um grande intérprete do Brasil. Foi lançada, simultaneamente, na Casa dos Contos, uma exposição sobre o autor.

PROGRAMAÇÃO SEGUE ATÉ O PRÓXIMO DOMINGO
Até 8 de novembro, Ouro Preto receberá ainda diversos debates com a participação de autores fundamentais para a produção literária contemporânea. Na sexta, 6 de novembro, têm destaque os jornalistas Laura Capriglione e Leonardo Sakamoto, no Ciclo Jornalismo e Literatura. No Fórum das Letrinhas, a criançada terá a oportunidade de fazer uma verdadeira viagem literária, com a apresentação do Trovador Adriano Cabral, na Maria Fumaça que liga Mariana a Ouro Preto.

O Cine Vila Rica receberá os debates Interações e performances, com Adilson Xavier, Antonio Holfeldt e Pedro Markun; Iconoclastia, história e narrativas, comFelipe Pena, Juremir Machado e Luize Valente; e A Comunidade Literária dos Países de Língua Portuguesa, com Conceição Evaristo (Brasil), José Luís Peixoto (Portugal), Lopito Feijóo (Angola).

Às 19h, Girma Fantaye participará do debate Exílio ou Silêncio? - Inauguração de Residencias para Escritores perseguidos em Ouro Preto. Além da representante internacional do ICORN, Elisabeth Dyvik; da representante do ICORN no Brasil e fundadora da CABRA, Sylvie Debs; e do reitor da UFOP, Marcone de Freitas; estará presente a poeta, cineasta, ensaísta, filósofa e tradutora egípcia Safaa Fathy, hospedada pelo ICORN no México.

Na sequência, está programada a mesa Neurônios Saltitantes – Conversa sobre Vida, Música e Poesia, com Jards Macalé e Jorge Mautner. O encontro será mediado pelo jornalista Daniel Benevides, da Revista Brasileiros.

O evento conta com patrocínio do Ministério da Cultura, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, BNDES (patrocinador exclusivo do Ciclo Jornalismo e Literatura), Petrobras (patrocinador exclusivo do Fórum das Letrinhas) e Samarco. Governo Federal: pátria educadora.

Mais informações: www.forumdasletras.ufop.br.

SERVIÇO:
Fórum das Letras de Ouro Preto
Data: 4 a 8 de novembro
Local: Ouro Preto (consultar a grade de programação)
Gratuito

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina