Pular para o conteúdo principal

O velho Fidel, 87 anos de vida

*Por Antonio Capistrano

Tenho por Fidel Castro uma grande admiração, quase uma veneração. Acompanho a sua trajetória de vida desde 1960, na época eu estava com 13 anos de idade. Fidel, com 34. Ele, o líder revolucionário mais admirado no chamado mundo periférico. Posso afirmar, sem nenhum medo de errar, que também admirado em todo o mundo desenvolvido. Pela classe operária, pela intelectualidade de esquerda, pela juventude, por aqueles que tinham compromisso com um mundo justo e fraterno.

Naquele momento havia uma grande mobilização internacional contra o colonialismo, contra as guerras imperialistas, em defesa da autodeterminação dos povos. Fidel encarnava essas bandeiras, símbolos de resistência ao domínio imperialista.

No próximo dia 13 de agosto do ano em curso (2013), Fidel completa 87 anos de vida, motivo dessas mal traçadas linhas. Ele nasceu no ano da graça de 1926. Advogado formado pela Universidade de Havana e líder de uma Revolução vitoriosa. Fidel é uma figura lendária que tem pontificado com sua personalidade o cenário político internacional. Carismático, líder amado pela maioria do seu povo. Mesmo contra a vontade da maioria do povo cubano, Fidel soube sair da chefia do governo, quando a sua condição física não lhe permitia exercer plenamente as funções de chefe de governo. Mesmo assim, continuou presente no cenário político mundial.

Durante todo o período em que governou a pequena ilha, Fidel resistiu à pressão da maior potência capitalista do mundo contemporâneo (EUA), que desejava dobrar o governo cubano e o seu povo aos interesses neocolonialistas do império ianque. Por esse motivo sofreu todo tipo de atentado, escapando ileso das inúmeras tentativas de assassinatos praticadas contra ele pelos agentes da CIA.

Vale salientar que Fidel foi dirigente de um pequenino país latino-americano. Cuba é uma pequena ilha localizada no mar das Antilhas, vizinha aos Estados Unidos, sem grandes recursos naturais, além de sofrer, constantemente, a passagem sobre a ilha de furacões e tornados que geralmente devastam parte do seu território, causando sérios prejuízos ao povo e a economia cubana. Também, não podemos esquecer que Cuba sofreu e ainda sofre um imoral bloqueio econômico, hoje com menos intensidade, mas, ainda causando sérios danos à economia e a vida do povo e do país. Apesar de tudo isso Cuba resiste e vai superando as suas dificuldades.

Sempre que escrevo sobre Cuba gosto de lembrar que já estive lá por duas vezes, vi de perto como funciona o país e o sistema socialista, sei de suas dificuldades, conheço o entusiasmo e o nacionalismo do povo cubano. Um povo culto, com um alto índice de profissionais com curso superior. Um país que fornece mão de obra para América Latina e Caribe, com parâmetros de eficiência comprovados pelos organismos internacionais nas áreas de educação, saúde e esporte.

Apesar dos seus 87 anos, Fidel continua atento às questões internacionais. Sempre estou lendo as suas reflexões, publicadas na imprensa cubana e na imprensa internacional, são reflexões muito equilibradas. Ele é um homem muito culto, inteligente, tem uma grande capacidade de análise política, sociológica, filosófica e econômica dos fatos. Quem conhece Fidel, quem teve a oportunidade de conviver com ele, de dialogar com ele, de trocar ideias com ele, fala exatamente dessa capacidade de compreender o mundo. Fidel é um humanista por convicção.

Quem se interessar em conhecer melhor o velho Fidel, o mais importante e influente líder político dos últimos sessenta anos, conhecê-lo sem as usuais distorções feitas pela grande mídia controlada pelos serviços secreto do mundo capitalista, principalmente pelo serviço secreto dos EUA, recomendo, entre muitos livros escritos sobre ele, a leitura de dois livros: Fidel Castro – biografia a duas vozes – do jornalista espanhol Ignacio Ramonet – Editora Boitempo, 2006; e o livro Fidel e a Religião – escrito por Frei Beto. Além disso, tem algumas entrevistas concedidas por Fidel a imprensa internacional. Recomendo a entrevista feita em Havana no an o de 1986 por Roberto D’Ávila para o programa Conexão Internacional, TV Manchete e as concedidas por ele ao programa Roda Viva da TV Cultura e, por último, a concedida ao cineasta americano Oliver Stone em 2003. Com esse material se pode fazer uma análise correta da importância desse grande líder latino-americano. Fica aqui, o registro e a minha homenagem aos 87 anos desse grande líder latino-americano, Fidel Castro Ruz, um cidadão do mundo, um revolucionário em defesa dos povos oprimidos.

*Antonio Capistrano é ex-reitor da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) e filiado ao PCdoB. 
Fonte: Site VERMELHO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…