Pular para o conteúdo principal

Carlos Herculano Lopes lança o livro Poltrona 27 hoje em Belo Horizonte

O escritor mineiro Carlos Herculano Lopes é o convidado do Sempre Um Papo para abrir a programação 2011, comemorativa dos 25 anos do projeto. O autor conversa com o público e autografa o romance “Poltrona 27” (Ed. Record). O debate será mediado pelo idealizador do Sempre Um Papo, Afonso Borges.

Em “Poltrona 27” a narrativa se dá em uma véspera de feriado e a rodoviária está lotada de gente. Carlinhos tem em mãos uma passagem com destino a Santa Marta, cidade onde nasceu e para onde parte agora, já adulto. Na poltrona 27 – a mesma que costuma ocupar em sucessivas viagens –, ele será o observador atento de diversos personagens que deixam Belo Horizonte em direção ao interior de Minas Gerais, cada qual com um motivo, uma perspectiva.

São homens, mulheres, jovens, senhores: os passageiros, em sua vida árida, enxergam no êxodo uma gama de oportunidades. E, sempre que podem, retornam à família, aos amigos, aos cavalos, à casa onde cresceram. São mineiros que, assim como Carlinhos, buscam uma nova terra para arquitetar a vida adulta, construindo assim dois mundos: o da maturidade e o da memória.

Neste romance, misto de ficção com autobiografia, o fio que conduz o ônibus através da rodovia BR-381 é a confidência. O balanço do trajeto convida para o ombro amigo, sempre disposto a ouvir as histórias do conterrâneo que viaja na poltrona ao lado. Essas histórias nem sempre têm um final feliz. Mesmo assim, marcados pelo otimismo, os passageiros não têm tempo para sentir tristeza. No lugar, sentem saudade.

No posfácio, publicado na contracapa do livro, o também escritor Silviano Santiago, revela sua percepção da obra. "Quase tudo é viagem na Poltrona 27. Se a narrativa ritualiza no real e no figurado as cinco sucessivas viagens entre Belo Horizonte e Santa Marta, ela dribla pelo sonho o todo-poderoso domínio do movimento sobre o relato, para ali deitar a indispensável gota de otimismo. O desejo de vida melhor e equilibrada encontra sua metáfora na poltrona do ônibus que, pela numeração invariável, se torna imóvel no espaço do mundo e no tempo da vida, para se revelar como passível de ser concretizado. Carlinhos vê vicejar a fazenda dos sonhos", escreveu.

Carlos Herculano Lopes

O escritor e jornalista Carlos Herculano Lopes nasceu em Coluna, Vale do Rio Doce, MG, e vive em Belo Horizonte desde a adolescência. Formado em jornalismo, trabalha atualmente no EM Cultura, do Estado de Minas, onde assina uma crônica semanal há 12 anos. Já publicou 13 livros; dois deles, Sombras de julho, e O vestido, foram lançados na Itália e levados ao cinema pelos diretores Marco Altberg e Paulo Thiago. Participou de 15 antologias (sendo um na Argentina e a outra no Canadá), e recebeu os prêmios Cidade de Belo Horizonte, 1982, Guimarães Rosa, 1984, Lei Sarney, como autor revelação de 1987, e Quinta Bienal Nestlé de Literatura Brasileira 1990. Foi duas vezes finalista do Prêmio Jabuti, com os romances A dança dos cabelos, e O vestido. Em 2002 ficou entre os 10 finalistas do Prêmio Jorge Amado, pelo conjunto de obra. Recebeu também o Prêmio Especial do Júri da União Brasileira dos Escritores, pelo livro de contos Coração aos pulos. As crônicas publicadas semanalmente no Estado de Minas já lhe renderam cinco livros: A ostra e o bode, O pescador de latinhas, e Entre BH e Texas, Editora Record, O chapéu do seu Aguiar, Editora Leitura, e o recém-lançado A mulher dos sapatos vermelhos, Geração Editorial.

“Poltrona 27”, de Carlos Herculano Lopes Editora: Grupo Editorial Record/Editora Record 176 páginas / Formato: 14 x 21 cm Preço: R$ 33,90

Serviço: Sempre um Papo com Carlos Herculano Lopes Dia 21 de fevereiro de 2011, segunda-feira, às 19h30 Local: Auditório da Cemig – Av. Barbacena, 1200, Santo Agostinho. Informações: (31) 3261.1501

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…