Pular para o conteúdo principal

13 de julho: dia mundial do rock: Todo ano Colômbia celebra o Rock al Parque como o maior evento rockeito com entrada grátis na América Latina

Fotos, informações e programação do festival 2016 estão no http://www.rockalparque.gov.co

Rock al Parque é um festival internacional de rock que ocorre na cidade de Bogotá, Colômbia, desde o ano de 1995. É o maior festival gratuito e ao ar livre da AméricaFaz parte da série dos Festivais Al Parque impulsionado pela Secretaria Distrital de Cultura, Recreação e Desporto; é o mais antigo e é o que começou o ciclo de festivais, sendo criados logo a seguir outros de outros tipos, tais como de Salsa, Jazz, Hip Hop, Ópera, Zarzuela, entre outros. O "Rock al Parque" faz parte de um programa chamado Temporada Joven que inclui o Ciclo de Concertos Música Popular Urbana. Dentro deste mesmo programa está o Hip Hop al Parque.
O festival iniciou-se no ano de 1995 tendo sua origem nos Encontros de Música Juvenil que teve lugar no Planetário Distrital desde 1992, como uma iniciativa de Mario Duarte, cantor membro de uma antiga banda chamada La Derecha que procura o apoio do Instituto Distrital de Cultura e Turismo de Bogotá(IDCT) e o empresário cultural Julio Correal com o objectivo de promover as bandas de rock do país e ao mesmo tempo promover programas de convivência e tolerância entre os jovens da cidade. Foi assim que o festival se levou a cabo de 26 a 29 de Maio em diferentes cenários como o teatro ao ar livre de La Media Torta, o Parque Simón Bolívar, o Estádio Olaya Herrera, a Plaza de Touros Santamaria, este último sendo o único lugar onde se cobrou a entrada.
Em 1996 o festival realiza a sua 2.ª edição deixando a Plaza de Touros ser um cenário do festival, passando assim a ser totalmente gratuito.
Em 1998 o festival corre perigo de desaparecer devido aos funcionários do IDCT que não vêm o evento como uma prioridade para o desenvolvimento cultural da cidade, mas a iniciativa é revertida ao ver que os jovens e a opinião pública em geral protestam apoiando o festival. Finalmente, é salvo no Conselho de Bogotá, o órgão legislativo da cidade, e é declarado como património cultural da cidade.
Paralelamente ao evento principal, com actuações ao vivo, desenvolvem-se outras actividades, como seminários, workshops, conferências e palestras programadas que incluem académicos e vários convidados.
O festival, inicialmente apenas especializado em bandas de rock, foi progressivamente alargada a outros géneros, como Heavy Metalpunkreggaeskablues, entre outros. Devido a essa diversidade programam-se dias em que tocam maioritariamente bandas de géneros diferentes do rock.
Atualmente, o festival decorre ao longo de três dias no Parque Simón Bolívar onde se instalam dois cenários (três cenários en 2009) nos quais actuam bandas de diferentes géneros de maneira simultânea. O festivalé transmitido ao vivo no Canal Capital e pela rádio Radionica onde também se realizam entrevistas aos participantes depois das actuações.
Nesse dia mundial do rock, não podíamos deixar de fazer referência a esta grande celebração do rock latino-americano na Colômbia!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…