12 de outubro: dia da criança

Pintura de Donald Zolan
CRIANÇA
                                           
                                                              À V.A.X
São fantasmas que me habitam,
são horas azuis de noite alta,
são escuros de escombros,
são fundos se fossos,
são almas trágicas.
São advindos da infância?
São pequenos traumas?
São ilusões? perdas?
Quem são os que
me habitam?
Habitam em todos?
Zombam de nós?
Mito da origem,
infância querida
primeiro amor.
Hospedaram-se em mim,
renderam minha alegria,
herdaram-me a tristeza,
entraram nalgum dia
perdido da memória.
Mas, serão ilusões minhas?
Será esta geração perdida?
Será este mundo falido?
Será o país bloqueado?
Será esta época vazia?
Pois onde estão meus amigos?
São ausentes ao encontrá-los,
são inexpressivos ao vê-los
E as exs? casaram? têm filhos?
Odeiam-me e eu as amo?
Pois mesmo quando nada há,
eles me rendem e me arrastam,
eles me prendem e me castram,
pois mesmo quando nada há,
eles me governam e me param.
Ensimesmado, reagirei?
Reagirei através da piscina?
através da análise? da catarse?
da poesia? pequeno, constrito,
no canto, criança, reagirei?


Vinícius Fernandes Cardoso,

Contagem, abril de 2004; poema presente na obra Leituras e Andanças (2004), disponível no Clube de Autores e AgBooks, com 25% de desconto na compra do impresso até hoje, Dia das Crianças, de Nossa Senhora Aparecida, descobrimento do continente americano pela nau de Américo Vespúcio,  e sábado agradável e luminoso na região metropolitana de Belo Horizonte.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina