Pular para o conteúdo principal

Povos do Campo, Águas e Florestas de Minas Gerais se reúnem em busca de unidades para suas lutas

Por Lívia Bacelete
Portal Minas Livre 

“Sozinhos podemos ir um pouco mais rápido, mas juntos podemos ir muito mais longe”. A frase dita por Sônia Mara, do Movimento dos Atingidos por Barragem (MAB), durante o Encontro Unitário dos Trabalhadores e Trabalhadoras e Povos do Campo, das Águas e das Florestas em Minas Gerais, resume o espírito do encontro.

A busca por uma unidade reuniu cerca de 40 representantes de diversas organizações e movimentos sociais camponeses nesta terça-feira (31), na sede da CUT Minas, na capital. Os movimentos e organizações participantes denunciam que a reforma agrária foi deixada de lado e não está mais na pauta do governo. Ao contrário, este vem favorecendo o agronegócio e o capital internacional na apropriação de terras e recursos naturais, o que também contribui para a fragmentação de diversas organizações que atuam no campo.

Os dados são alarmantes. Segundo o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), no governo Dilma, em 2011, apenas 22.021 famílias foram assentadas e 60 imóveis receberam decreto de desapropriação no país. Números que estão bem abaixo do governo Fernando Henrique, quando, em 1995, 42.912 famílias foram assentadas e 204 imóveis receberam decreto desapropriatório e do governo Lula, que em 2003, assentou 38.301 famílias e desapropriou 187 imóveis.

Diante desta situação, as organizações e movimentos sociais do campo estão somando forças e articulações para recolocar a pauta da reforma agrária na agenda governamental, a partir de um novo modelo de desenvolvimento do campo brasileiro, embasado na agroecologia, na educação do campo e em um novo modelo energético. “A unidade no campo é uma construção permanente. Nossa necessidade é muito maior que a vontade, por isso, ou a gente se une no campo ou nosso projeto popular estará comprometido”, afirma Ênio Bonhenger, do Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais Sem Terra (MST). Ele lembra que em todas as principais revoluções do mundo o papel dos camponeses foi essencial, como na União Soviética, em Cuba e na China. “O papel do campesinato é fundamental, assim como o papel da terra. Ela não pode ser uma mercadoria”, ressalta.

O encontro contou com a participação de representantes da CUT Minas, Via Campesina, Articulação Mineira de Agroecologia (AMA), Rede de Agroecologia do Sul de Minas, MST, MAB, Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Comissão Pastoral da Terra (CPT), Cáritas Regional Minas Gerais, Federação dos Quilombolas de Minas Gerais – N’Golo, Fetraf-MG, Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Governador Valadares e Sindicato dos Assalariados Rurais. Os participantes ainda discutiram a presença da delegação mineira no Encontro Unitário Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras e Povos do Campo, das Águas e das Florestas, que acontecerá em agosto, em Brasília. Para este encontro, espera-se levar aproximadamente 400 pessoas das regiões Metropolitana de Belo Horizonte, Zona da Mata, Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Norte, Leste e Sul de Minas e Triângulo Mineiro.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…