Prefácio de Clevane Pessoa para antologia Prêmio Valdeck Almeida de Jesus

"O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona 1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes

2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação"

Clevane Pessoa em prefácio de obra de Valdeck Almeida de Jesus

Publicado em 09/12/2011 pelo(a) Wiki Repórter valdeck, Salvador - BA -Brasil




Capa da edição IV do Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus - Foto: Valdeck Almeida de Jesus - jornalista e escritor

><*>< Pré/facies

Certa vez recebi pela Internet, a pergunta de uma escritora: “Por que publicar em antologias?” Não sei se era uma indagação capciosa, exatamente qual a intenção. Talvez uma crítica implícita a mim, que participo de um bom número... Quando eu era jovenzinha, antologias seriam apenas para os textos em prosa ou versos de renomados autores.

Coletâneas seriam feixes de escritos de pessoas comuns. No entanto, com o advento da Internet, esse conceito mudou.

Pois se o poeta - o autor focal desta antologia - antes escrevia para si, ou submetia a jornais seus versos, e eram poucos os que se viam publicados, hodiernamente, há um boom a explodir belezas poéticas, dos lugares comuns dos apaixonados às singularidades de expressão... Se antes muitos morriam e somente então seus versos cometidos eram encontrados, hoje, poeta, famoso ou mão, jamais morrerá, não enquanto lerem, declamarem, repassarem seus versos – o que é muito comum, por e-mails.

Os velhos caderninhos são agora, arquivos, pastas. As pessoas postam web designs que ilustram seus escritos. Não raro, quem apenas ilustra, ou faz PPS, acaba tornando-se Poeta. Faz livros virtuais, participa de concursos, enfim, as portas e janelas abriram-se para a livre expansão da alma.

O egocentrismo, cedeu à cordifraternidade: troca-se regulamentos, há sites, home pages e blogs especializados nessa divulgação. Outros não o são, mas mandam em PVT, ou incluem em seus espaços, hospedam.

O motivo é claro: além de um autor ter de enviar algo próprio, escrito corretamente, em geral inédito (ou não, conforme as normas vigentes), de preferência original, singular, o texto esbarrará em um júri, em alguém que terá sua visão e preferências pessoais, com a tarefa de fazer a seleção, ser neutra, imparcial, despreconceituosa. Alguns lograrão classificar-se, outros apenas serão convidados a participar. Mas o prazer de folhear um livro e encontrar-se em companhia tão diversificada, mas todos pertencentes a essa “casta” a dos poetas, é imenso.

Também já me perguntaram por que “ainda” concorro. Sempre respondo que é pelo “frisson” da expectativa. E porque no Brasil edições individuais são acima das possibilidades do autor, muitas vezes, de gastar: cônjuges reclamam, “usou parte do dinheiro das férias e publicou um livro”; “fez um empréstimo, mas não foi para consertar o telhado e sim para editar”, “fez o livro e depois da noite de autógrafos, não vendeu, agora distribui”... Quando há família em jogo, as acusações ou queixas são ainda mais veementes. O autor às vezes, tem de amargar uma culpa... Conheci alguém que fez uma dívida, e depois tentou suicídio porque não conseguia pagá-la, a sala cheia de pacotes de seu livro maravilhoso... Quando eu era adolescente, li “O Feijão e O Sonho”, de Orígenes Lessa e fiquei impressionada. É o protótipo das situações que relato.

Em todas as épocas, o “ser Poeta” teve de conviver com outras profissões. Alguns puderam sobrepor-se ao comum dos mortais, com sua poesia - Neruda, Vinicius... Mas, através da Internet, nesse novo Milênio em especial, as pessoas se organizam, fazem saraus, encontram-se em todo tipo de lugar, desde o barzinho, antes reduto único de uma classe considerada boêmia, aos palcos, escolas, praças... Poemas são colocados em ônibus e metrôs, vitrinas e varaus. Esse encontro tem um efeito dominó positivo. E abrem-se as neo-antologias, que significam reunião de autores, de todas as idades, classes, formação, países, e profissões paralelas. Ou Poetas e pronto.

Nesta, do Valdeck, desde adolescentes a septuagenários, eu li, fascinada, os que comentaram sobre o que “também” fazem. Além dos educadores e as pessoas graduadas em Letras esperadas pela própria formação, há matemáticos e engenheiros - dos civis aos químicos. Há físicos, advogados, artistas, livreiros, economistas, pesquisadores, artistas plásticos, atrizes e atores, estudantes de vários graus, delegado de polícia, técnico de metrologia, analista de sistema, arrecadador de pedágio (e fiquei a imaginar se ele teria algum micro-tempo entre um veículo e outro, para anotar versos ou rimas), um instrutor de kickboxing – que escreveu Poesia depois de perder a liberdade - e há quem o faça por estar livre... Analista legislativo, mestres, doutores e pós doutores, figurinista, diretor de empresa, socióloga, oficial de justiça, militares, jornalista, documentarista, roteirista, desenhista de moldes, cordelista, poliglota - professor de Línguas, pesquisador...

Brasileiros de todos os cantos, portugueses, uma angolana. A Lusofonia canta agradecida! A latinidad também. Há argentinos.

Encontro menções de outras antologias onde também me encontro, dou de cara com minha amiga Ângela Togeiro, que mora como eu em Belo Horizonte, também Embaixadora da Paz e membro do inBrasCi, de várias Academias, uma pessoa premiadíssima nacional e internacionalmente. Leio que Uma autora ocupa a Cadeira 11, de Lindolf Bell, da Catequese Poética, que se estivesse vivo, adoraria andar pelas novas antologias brasileiras. Ele é meu patrono na AVBL - uma academia virtual. E fiz um recital em 2008, no qual o homenageei. Já estão vendo para que serve uma antologia - o que a senhora fingia não saber.

Gosto da palavra cordifraterno. É o que somos quando estamos num mesmo livro/espaço: unidos pelo cordis, “monsieur le coeur”, o coração, que bate ao compasso da comunhão, e em uníssono, e nos torna todos iguais, sem divisões de classe, raça, cor, opção sexual, grau de escolaridadade, poder aquisitivo...

Quando concluí a leitura dos poemas e li avidamente as notas sobre os autores, fui reler a entrevista (*) que fiz com essa pessoa guerreira, resiliente, que é o Valdeck Almeida e adorei quando reli, essa resposta dele:

Pretende organizar outras antologias?

“Sempre tenho vários planos, mas por enquanto este projeto me toma o ano quase todo. Somente com a ajuda de uma equipe grande eu poderia me atrever a realizar mais coisas do que já realizo no cotidiano e na minha vida profissional. Eu trabalho de segunda a sexta-feira, estudo à noite fazendo jornalismo e ainda tenho que cuidar da casa, cuidar de mim, de um filho que mora em Jequié/BA. Eu moro em Salvador e vivo viajando sempre ao interior para rever meus amigos e familiares. Tudo isso toma tempo. Dizem que o tempo na Bahia não corre, que caminha a passos de tartaruga, mas tudo isso é folclore. O tempo aqui urge, as coisas por fazer roubam-nos o tempo...”

Quando recebi o convite para escrever - o que chamo de pré-facies, porque não citarei versos dos poemas, mas falei de seus autores, com a brevidade da cigarra que anuncia a chuva fértil que terão pela frente - senti-me lisonjeada e presenteada - apenas de haver divulgado o concurso, repassado para mailings, postando, acabei perdendo o prazo e não entrando. Foi uma forma de estar com os autores e com o poeta organizador, que para participar de sua primeira, teve de vender um fogão. Tenho-lhe muita admiração, aplaudo seus esforços e almejo-lhe uma bela carreira editorial, paralela à sua de fazedor de versos, bardo, vate, poeta. E concluo com esse poemeto escrito na adolescência:

O impossível
É imprevisível
Só até acontecer...

Clevane Pessoa de Araújo Lopes, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Psicóloga Embaixadora Universal da Paz, pelo Cercle de les Ambassadeurs Univ. de La Paix Genebra, Suíça; Diretora Regional do InBrasCi em BH/MG; Representante do Movimento Cultural aBrace (Brasil /Uruguai), Membro da ONE, Acadêmica da AFEMIL (Cadeira Cecília Meireles),da ALB(cad. Jornalista Laís Corrêa de Araújo;membro Correspondente Titular da AILA(Itapira-SP); Conselheira do IMEL;

Belo Horizonte-MG-Brasil
><

pessoaclevane@gmail.com
(*) http://clevanepessoaentrevistas.blogspot.com

Fonte :http://brasilwiki.com.br/noticia.php?id_noticia=48127

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina