Imersão Latina ganha Prêmio Ponto de Memória


O Instituto Brasileiro de Museus/Minc divulgou dia 14 dezembro, o resultado do Prêmio Pontos de Memória, que apoiará 45 iniciativas de memória social no Brasil e três no exterior. Entre os premiados, está o projeto proposto pelo Instituto Imersão Latina, de pesquisa e narração de histórias com os artistas Aline Cântia e Chicó do Céu, de Belo Horizonte. Com o prêmio, que visa reconhecer e estimular o trabalho, a fim de fomentar sua continuidade e sustentabilidade, será realizado o projeto “Contando Histórias de Pompéu”.

Pompéu é um povoado localizado no Distrito de Mestre Caetano, na área rural do município de Sabará-MG. Além do trabalho de apresentações artísticas de historias narradas e cantadas, serão realizadas atividades que valorizam o saber ouvir, o saber guardar e o saber contar a memória da comunidade. O trabalho que começa em janeiro e termina em junho de 2012, com uma apresentação coletiva de histórias, memórias e canções de Pompéu, conta com a parceria do Museu do Ouro e a Prefeitura Municipal de Sabará-MG.

Em Minas Gerais foram 05 premiados e em Belo Horizonte, outro trabalho contemplado foi a Associação Galpão, com o projeto “Preservação da Memória do Grupo Galpão”.

Os Pontos de Memória


Para atender os diferentes grupos sociais do Brasil que não tiveram a oportunidade de narrar e expor suas próprias histórias, memórias e patrimônios nos museus, o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), apoia ações de memória em comunidades populares das cinco regiões do país, por meio do Programa Pontos de Memória. Os Pontos de Memória têm por concepção reconstruir e fortalecer a memória social e coletiva de comunidades, a partir do cidadão e de suas origens, histórias e valores. Com metodologia participativa e dialógica, trabalham a memória de forma viva e dinâmica, como ferramenta de transformação social.

O trabalho de Aline Cântia e Chicó do Céu


Uma das fundadoras e atual conselheira do Imersão Latina, Aline Cântia tem um trabalho de há 05 anos com o músico Chicó do Céu, em que dialogam literatura, memória e música. Inicialmente, a dupla percorreu várias cidades brasileiras (de Minas ao Pará), experimentando as linguagens e pesquisando músicas regionais e as histórias de tradição oral. Com o passar dos anos, o trabalho foi se fortalecendo a partir de encontros, vivências e estudos até chegar à criação de uma identidade em que dialogam a música e a palavra narrada.

Desde o início do trabalho já percorreram mais de 100 escolas, em parcerias com Secretarias Municipais de Educação e Cultura. Em 2011, receberam o prêmio “Bolsa de Circulação Literária”, concedido pela Fundação Nacional de Artes (Funarte). Com o projeto premiado, “Da Estante pro Instante, e vice-versa”, eles levaram oficinas e apresentações artísticas a municípios de Minas, São Paulo e Goiás. O trabalho foi selecionado para publicação no livro Funarte – Políticas para Artes, uma publicação do Ministério da Cultura, em 2012.

Eles também acumulam experiências internacionais, levando suas apresentações para encontros e festivais de Narração de História, no Brasil e em países da América Latina, como Venezuela, Bolívia, Argentina, Cuba e Costa Rica.

Parceira do Instituto Imersão Latina, a dupla tem se dedicado exclusivamente ao trabalho de encontrar, criar, narrar e cantar as histórias das pessoas, dos livros e dos lugares.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina