O homem vai parar de destruir o planeta?


"Los seres humanos nacieron para ser libres y crecer en la libertad...”


Olivier Herrera Marín,
Presidente Asociación Internacional de Poetas de la Tierra y Amigos de la Poesía
Revista de Cultura Genoma

Desenho de Clevane Pessoa, exposto em banner na mostra individual de poemas e desenhos "Graal Feminino Plural-Galeria da Árveore-MUNAP"-Parque Municipal Américo Renê Gianetti, em belo Horiozonte, Minas Gerais -Brasil, sob a forma de banner criado por Marco Llobus..Posteriormente , publicado no Jornal Aldrava de Mariana-MG-BR e no Jornal Mural Muleres Emergentes .


Já vi...
Por Clevane Pessoa*


Quando acontecem catástrofes o Brasil, desde o ano passado, vítima das chuvas fortes, que provocam deslizamentos, pontes partidas, estradas bloqueadas, enchentes nas cidades -as pesssoas se mostram solidárias, repensam o que vêm fazendo contra a Mãe Natureza, releiem normas de construção de vida e indevida, mas assim que passa o perigo, voltam a pecar contra o Planeta. O que resulta, em última instância, em pecar contra si mesmas.

Quando eu era pequena e passava pelo Rio Paraibuna, em Juiz de Fora, onde morava, via dragas trabalhando e lia nos jornais, ouvía nas rádios sobre a questão do assoreamento. Vi muitas árvores sendo arrancados.

Ainda no ano passado, em setembro, o jornais mineiros estamparam imagens sobre cidades muito quentes, onde, em vez de podarem as árvores para não encostarem nos fios de alta tensão, elas foram drasticamente cortadas. A canícula subia. Os aposentados não mais podiam ficar sentados jogando damas nas praças - muito menos as criancinhas de tenras peles...Uma das podas foi...no dia da Árvore! A Primavera começando...

Vi, pintei, escrevi a respeito das queimadas. Ao passar de carro do Maranhão a São Paulo, o que mais vi, foi terras calcinadas -às vezes poeticamente a mostrar um ipê amarelo todo florido , de pé e a desafiar, a lembrar que o belo deve ser preservado, para ser visto e admirado.

Vi pássaros piando desesperados por causa dos ninhos, no entrono de árvores serradas, numa rua onde morei: as pessoas às vezes, têm preguiça de varrer folhas. Sempre lembro meu mano Cleber Franck, que também é poeta, reclamar, pois acha o mar de folhas, um luxo, não lixo. Numa ciranda, escrevi sobre os sabiás dessa rua, a gritar ("E vieram os homens de macacão"...)

Vi a fauna de regiões específicas, tontos pela fumaça, atravessar estradas e morrer sob as rodas dos veículos...Vi mineradoras estourarem o seio da terra...tratei, no PAM de Psiquiatria , em
Belém , no antigo INAMPS, ex garimeiros afetados por mercúrio... Sei das lutas de ativistas , músicos, artistas e autores, pela Serra do Espinhaço ...

Vi bosques derrubados, lutei com poesia e prosa, pela Mata do Kramberck, em Juiz de Foa, com diversos ativistas a quem jamais vi pessoalmente -a poeta Stela Hatch , que me avisou e seus filhos arquitetos, de sobrenome Bracher (onde poetas e artistas nascem quais flores num vergel)... O médico obstetra José Carlos Arantes, político consciente, o grande sonetista e trovador Hegel Pontes, que escreveu o "SONETO VERDE", em resposta a um de meu poemas. Masé Soares, professora mineira que vive em Goiânia e criou um PPS para eu repassar, pela Internet...O otivo? Um condomínio de luxo seria construído a tradicional Mata, remanescente e sobrevivente da Mata Atlântica, teria uma parte derrubada.

Soube pelo Dr. Arantes , depois de todos os manifestos, de pessoas sérias serem ouvidos nos devidos espaços (câmaras de vereadores, assembléias), que o condomínio não mais vai ser construído. Aleluia!

Sabem aquela velha alegoria de um beija-flor que vai gota a gota, tentando apagar um incêencio e que, ouvindo zombarias e perplexidades porque era muito pouco, diz que pelo menos está fazendo sua parte...É isso: faça o que pode. O pouco de cada pessoa pode ser o muito necessário, na hora devida. E mais ainda quando se atua preventivamente...

Na cidade onde vivo - Belo Horizonte, para cada bebê que nasce, planata-se uma árvore. Conduta Municipal louvável...Numa só dia das últimas tempestades, caíram 51 árvores ...Mas sabemos que 51 criancinhas nascerão para que sejam plantadas. E que possam ser educados com consciência.O planeta agradece...

A natureza pede socorro.
E não é nada consolador saber, reclamar: algo mais tem de ser feito...

Vi os homens destruindo sua própria mãe natureza, esse organismo vivíssimo, que tem sistemas interligados, a ignorar que ela adoeceu. Antes que agonize, pode ser curada. Sem guerras que destruam , sem fogos inúteis, sem queimadas, sem barreiras de montanhas que se esvaem em terras e verdes, pedras e formatos, sem desperdício de água em nossas torneiras , sem contrabando de animais, plantas e...pessoas!

Depende de cada um que no amanhã haja deserto e desolação em algo que já foi exuberante e belo. As tragédias já começaram acontecer...O que eu ouvia, menina ainda, como possibilidade, já assusta e vitimiza...Quando o homem vai parar de destruir o planeta?!!!
Façam a sua parte de beija-flores...

Clevane Pessoa de Araújo lopes
Po(i)etisa pacifista e divulgadora cultural. Autora de vários livros, entre eles O Sono das Fadas, de literatura infantil. Organiza desde 2008 o evento Poetas pela paz e pela Poesia
Vice-presidente do Instituto Imersão Latina (IMEL), Represente do Movimento aBrace.

Perfil de Clevane por Brenda Mars,
BH na Paz, outubro de 2009

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina